Quinta-feira, 8 de Maio de 2014

O grito

                             

                                  "O grito" de Edvard Munch

 

Numa das minhas últimas passagens pelo recinto onde se faz a Feira da Ladra, resolvi meter-me por umas ruelas que há nas imediações e dar uma vista de olhos por um sítio onde há anos presenciei uma cena que nunca mais esqueci.

Por essa altura funcionava num dos prédios que rodeia o recinto da Feira uma Repartição Pública ligada aos serviços do Exército. Eu tinha de ir lá consultar uns documentos para a empresa onde trabalhava poder concorrer a uns trabalhos. Como na altura eu não sabia onde ficavam tais instalações, foi comigo um velho conhecedor da cidade de Lisboa, alfacinha de gema, a rondar os cinquenta e muitos anos de idade, boémio desde muito novo, jogador inveterado, namoradeiro consumado, exímio contador de anedotas e mais umas outras tantas coisas, para além de ser uma ótima pessoa.

Fomos no carro dele e como a entrada para o tal edifício era feita pelas traseiras, ele meteu o carro numa dessas ruelas e aí o estacionou. Saímos do carro, tínhamos uns 30 ou 40 metros para andar a pé e foi então que tudo aconteceu.

Tínhamos dado meia dúzia de passos, quando, de uma janela dum r/chão, uma senhora já “bem cinquentona” soltou um grito: “Octávioooooooooo!!!”. E logo de seguida voltando-se para o interior da casa, outro grito: “Mãeeee! Sabe quem está aqui? O Octáviooooo!!!”.

Octávio era a pessoa que ia comigo e que a, estes gritos, parou em frente à janela. Eu fiquei 2 ou 3 metros retirado, a apreciar a cena. Apareceu então à janela uma outra senhora já de bastante idade e cega (era a mãe por quem a filha tinha chamado). Deu-se uma rápida troca de cumprimentos entre os três, entretanto a velha senhora retirou-se e quando ficaram só os dois, a “senhora do grito” retirou do pescoço um fio donde pendia uma pequena caixa em forma de coração, abriu-a, voltou-a para o Octávio e perguntou: “lembras-te?”.

Era uma foto dele, quando tinha à volta de vinte anos.

Logo de seguida despediram-se e eu e ele lá fomos ao trabalho.

Contou-me então que tinha sido uma antiga namorada dos seus anos de jovem, que aquele sítio era conhecido pelas “Travessas” e que ninguém doutro Bairro lá podia entrar para namorar as moças, sem autorização da “malta” do Bairro. Autorização que ele tinha, obviamente e, pelos predicados que eu lhe conhecia, difícil era não ter essa e “outras” autorizações.

Disse-me que já não a via desde esses tempos e que, se ela não lhe tivesse gritado o nome, nem a teria reconhecido.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 17:11
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds