Quinta-feira, 11 de Abril de 2013

Contratos

 João era um pequeno industrial português com uma filosofia de vida especial, quase sempre bem disposto e procurando andar sempre bem informado sobre tudo o que dizia respeito ao seu ramo de actividade. Para isso frequentava com assiduidade as feiras internacionais. Aproveitava estas oportunidades também para gozar uns dias de férias e fugir da sua rotina diária, sempre agarrado à empresa.

Um certo ano foi a uma feira em Milão e dispôs-se a passar lá uma semana.

Ao fim de dois ou três dias estava farto da feira e de Milão e resolveu passar o resto da semana a viajar pelo norte de Itália e sul de França. Para isso traçou um plano: alugava um carro para essa viagem turística entre Milão e Nice e aqui tomaria um avião para Lisboa. Para isso e antes de sair de Milão, dirigiu-se a um balcão da TWA (companhia de aviação entretanto já desaparecida) e marcou/comprou o bilhete para determinado dia. Ao pagar notou que o funcionário se enganou no preço (o valor deveria andar pelas vinte mil liras e o funcionário pediu-lhe umas duas mil) e João chamou-lhe a atenção para o erro. O funcionário, de nariz arrebitado, respondeu que sabia muito bem o que estava a fazer e João não insistiu mais. Pagou, levou o bilhete e foi à sua vida, que é como quem diz, partiu para a sua viagem de gastronomia e turismo (gastronomia era outra especialidade de João).

Quando no domingo chegou ao aeroporto de Nice para embarcar, foi chamado aos balcões da Companhia e pensou: “cá estão eles a pedirem-me o dinheiro em falta”. Mas enganou-se. Era só um pequeno problema com a bagagem. Embarcou, almoçou a bordo e a meio da tarde chegou a Lisboa. Na sala de desembarque foi chamado a um dos balcões e teve o mesmo pensamento “agora é que me vão pedir o resto do preço do bilhete”.

Enganou-se segunda vez. Era para lhe transmitirem um recado que um familiar lhe tinha lá deixado.

Saiu do aeroporto e foi tratar da vida. Passados alguns dias já se tinha esquecido do episódio. Eis senão quando lhe aparece uma carta da TWA a pedir a diferença entre o preço do bilhete e o valor que de facto ele tinha pago. A carta tinha origem nos escritórios, em Lisboa, da Companhia Aérea.

Estava criado a oportunidade para João tratar do assunto como gostava: a brincar para se divertir um bocado.

Assim respondeu nestes termos:

“No dia tantos do tal, num dos vossos balcões em Milão, fiz um contrato com essa Companhia, mediante o qual se comprometeram a transportar-me

de Nice para Lisboa num dos vossos voos, mediante um valor que eu paguei. Agora, pela vossa carta, entendo que querem desfazer esse contrato, pois estão a alterar o mesmo à posteriori. Agradeço que me confirmem se a minha interpretação está certa ou errada. Com os meus cumprimentos. João”

Passaram mais uns dias e recebe outra carta com mais pormenores. Nela dizem que tinha havido um engano do funcionário, que pediam desculpa pelo facto, mas a verdade é que lhes devia a diferença, cuja liquidação voltavam a solicitar.

Resposta do João:

“ Meus caros senhores: pelos vistos a minha interpretação estava certa. A TWA pretende anular o contrato que fez comigo e estou pronto a aceitar essa anulação. Deste modo essa Companhia torna a pôr-me em Nice e devolve-me as duas mil liras que eu lhe entreguei. Como tenho uma vida muito ocupada, teremos unicamente se combinar a data possível para isso.

Há porém um problema: eu almocei a bordo do avião, aliás uma refeição de muito boa qualidade e não vou poder devolver esse almoço, por motivos óbvios. Estou no entanto disposto a pagá-lo por um preço justo, caso cheguemos a acordo. Fico a aguardar a vossa resposta para concluirmos, deste modo, a anulação do contrato. Com os melhores cumprimentos, João”.

Passam-se mais uns dias e nova carta da Companhia (escritórios de Lisboa):

“Como o assunto da sua carta transcende a capacidade de resolução deste problema pelos nossos escritórios em Lisboa, a mesma foi enviada para a nossa sede nos Estados Unidos da América”.

Passam-se mais uns tempos e vem a tal carta da TWA/EUA.

Dizia mais ou menos isto:
“Caro Senhor: Vimos comunicar-lhe que a correspondência entretanto trocada entre V. e esta Companhia, foi arquivada no dossier dos “Assuntos Curiosos”. Com os nossos cumprimentos, TWA”.

João contou e recontou várias vezes esta história ao longo da vida. Eu fui um dos seus ouvintes.

 

 Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 10:46
link do post | comentar | favorito
14 comentários:
De maria teresa a 11 de Abril de 2013 às 21:57
Nem sei o que hei-de dizer!
O teu amigo é sortudo, inteligente, persistente, divertido e muito mais coisas.
Da companhia aérea só posso dizer que tinha um empregado muito aéreo e que funcionava bem em termos burocráticos/administrativos...arquivou o caso em casos curiosos e muito bem (digo eu)
Abracinho em torno dessas barbatanas bem fechadas,sou eu que abraço!


De Carapau a 13 de Abril de 2013 às 18:45
Olá!
Bem aparecida por estas bandas.
Quanto à "minha história" creio mesmo que este episódio foi mais um que levou a TWA à falência. :))
Na realidade nem seu se faliu se foi comprada por outra companhia, mas que devia ter um dossier de assuntos bem curiosos, isso devia.
Abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds