Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2013

Miscelânea (ou talvez não)

 

Um destes dias, estava no meu momento cultural da manhã, (intervalo que vai de “depois da barba” ao “antes do banho”) quando vi esclarecer-se, nesta minha cabeça privilegiada, uma dúvida que a atormentava desde sempre.

(Para já, faço aqui um intervalo para umas divagações filosóficas).

 

Nunca percebi porque raio de coisas os ricos não podem ir para o céu. Se o porteiro fosse o Sr. Jerónimo de Sousa ou um amigo dele, eu ainda perceberia. Os porteiros das discotecas também não deixam entrar qualquer bicho careta. Mas o São Pedro não deixar entrar um gajo cheio de massa (pilim, carcanhol, o que quiserem – mesmo que na terra tenha vendido carne de cavalo por carne de vaca…), não me entrava no bestunto. Claro que Jesus Cristo, certamente tendo aprendido com o Sr. Jerónimo de Sousa, disse que “será mais fácil um camelo entrar no buraco duma agulha que um rico entrar no reino dos céus”. Para mim sempre me intrigou porque haveria de ter dito “camelo” e não boi ou vaca, cão Serra da Estrela, ou elefante. Ou mesmo um pinheiro, uma sequoia gigante, até uma simples macieira já com maçãs. À medida que fui enchendo a minha mala cultural arranjei uma razão de ser “camelo” e não outro animal ou árvore. O Homem vivia nas margens do deserto onde abundavam camelos. (Também aprendi depois que há camelos e muitos, sem ser nos desertos). É certo que Ele não disse que era impossível entrar, mas vamos ser práticos, um camelo, ainda por cima com duas bossas, como entraria no buraco da agulha (no cú da agulha, como Ele diria hoje)? Maneira airosa de não proibir, mas…

A “coisa” já seria difícil com uma enguia e uma agulha de dimensões normais. Agora com um camelo, um animal inestético, com tantos altos e baixos?

Analisando o assunto doutro ponto de vista também se poderia entender assim: a “vida” no céu é tão chata e tão “pobrezinha” que se os ricos entrassem à vontade, iriam subverter o ambiente e ainda acabava tudo num inferno divertido e sabe-se lá o que aconteceria aos anjos, arcanjos, serafins e virgens…

Então é melhor não os deixar entrar e para isso lançar mão da história do camelo.

A este propósito lembro-me dum filósofo que conheci na minha aldeia, que dizia que entraria “de caras” no céu, porque, (palavras dele), “nunca matei, nunca roubei igrejas, porrada qualquer um dá”.

(Fim das divagações).

 

Voltemos ao 1º período deste post, afinal a razão dele ser escrito.

O esclarecimento da minha dúvida sobre a razão do camelo e do buraco da agulha.

Simples, simples e claro como água e eu só agora fiquei esclarecido. “Camelo”, além de “quadrúpede ruminante que tem gibas sobre o dorso, também é “calabre” (e outras coisas que não interessam agora aqui). E “calabre”, como toda a gente sabe, é uma corda grossa, um cabo, uma amarra.

E agora tudo faz sentido na tal cabeça privilegiada, a que já fiz referência. Trata-se de fazer passar uma corda grossa por um buraquinho estreito. Já fazê-lo com uma linha grossa é difícil. Quanto mais com uma corda… Mas com uma linha grossa ainda a coisa vai, embora recorrendo a artifícios, tais como lamber a ponta da linha, “afiá-la” e com jeito e persistência… não há nada que não se consiga. E se a agulha ajudar (isto é, tiver um buraquinho um pouco mais largo) então até entra com facilidade.

E assim, direi eu agora, até um rico pode alcançar o reino dos céus…

 

Esclarecimento técnico: parece que a confusão nasceu logo no princípio: em grego as palavras kámelos (camelo) e kámilos (corda) são muito parecidas e bastaria o “i” estar mal feito para estabelecer a confusão. Por outro lado, em aramaico a palavra para designar camelo e corda é a mesma.

Este assunto vem sendo debatido há séculos pelos biblistas, nunca nenhum deles me explicou isto, daí a minha santa ignorância, até há poucos dias atrás.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 14:22
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Labirinto de Emoções a 4 de Março de 2013 às 12:41
Oh! mas que pena eu não conseguir momentos de reflexão tão profundos como os teus depois de ..e antes de...pelas simples razão de que não faço abarba (senão jé teria lugar num qualquer circo como cabeça de cartaz..."VENHAM ASSISTIR À MULHER BARBADA A FAZERA BARBA AO VIVO E A CORES)...rsrsr
Felizmente que tu refletes muito bem...tinha um patrão que cada vez que tinha um momento "lúdico" desses durante o dia...saia de lá com ideias de m**** que nos davam cabo do juizo!!!!
E eu, embora não seja camela (tenho 2 bossas mas não no lombo...) tambem não quero ir para o cèu, aquilo deve ser uma pasmaceira tudo a dar as asas armados em anjinhos/as...antes quero ir para um "inferno light" que tambem não sou uma pecadora dos diabos...sou só uma diabinha as vezes, e talvez encontra para lá uns diabinhos simpaticos vestidinhos de vermelho (cor que até gosto) e possa fazer uma diabices bem humoradas..ahahahah
Beijocas grandes carapauzito de uma figa :-) )))


De Carapau a 4 de Março de 2013 às 14:25
Já lá diziam os povos antigos-certamente os que escreviam em aramaico- que qualquer sítio é bom para se reflectir, mas há uns melhores que outros.
Outra maneira de dizer o mesmo será "a cada um conforme sua vontade".
Quanto a diabos, diabinhos, anjos e anjinhos, cada qual que tome o que lhe mais aprouver. Cá por mim, para já e sem reflectir muito no assunto, ainda vou por umas diabinhas vestidas de qualquer cor.
Há uns anos atrás havia um "inferninho" ali para as bandas de Cascais, onde nem se estava mal...
Bjo.


De Maria Araújo a 4 de Março de 2013 às 21:47
Um inferninho para as bandas de Cascais?
Ficavas em brasa, ou na brasa para deleite das diabinhas.


De Carapau a 5 de Março de 2013 às 14:32
Falaar em brasas neste blog é como falar em corda em casa de enforcado. Vira para lá essa boca. :))
Bjo.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds