Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Eu e a língua

                                      

 

Este senhor aparece hoje aqui, única e exclusivamente por causa da língua.

          O que no fundo ele nos quer dizer é que na vida tudo é relativo…

 

Para mim, a minha língua é esta, aquela em que estou a escrever. Claro que também tenho a minha língua particular, digamos assim, mas essa não a posso mostrar aqui, porque sempre me ensinaram que era feio tirar a língua de fora às pessoas. Há a exceção para o médico, mas só quando ele me diz “ora mostra lá a tua língua”.

Para o Fernando Pessoa, a pátria dele era a língua portuguesa. Nunca vi a língua portuguesa, nem sabia que se podia ver, mas tenho visto muitas línguas de portuguesas. E não acho feio quando me mostram a língua, mesmo que eu não peça, e não sendo médico.

Há muitas línguas, como é do conhecimento geral. Eu entendo-me bem com a portuguesa (nem sempre, mas a culpa não será só minha…), razoavelmente com a francesa, mal com a inglesa, assim assim com a portunholesa, bem com a de vaca (estufada com puré, ou com ervilhas), também bem com a do bacalhau (com grão, batata cozida ou outro acompanhamento) e já me dei muito bem, quando era miúdo, com as línguas de gato (hoje já não gosto de gatos e nunca mais vi línguas).

Com a língua tenho feito coisas que nem o diabo sonhava (hoje o diabo, por ser velho, já sabe tudo, ou quase…). Vejamos algumas: falar, saborear (ou degustar, para ser mais fino), dar à língua, lamber selos (cada vez menos porque eles já vêm nos envelopes) e lamber coisas múltiplas, mas assim de repente só me estou a lembrar dos gelados.

A lambidela é aliás uma instituição nacional. Lamber as pontas dos dedos para contar papel, virar a página do livro, “aguçar” a ponta da linha para ela entrar no buraco da agulha, para contar notas e para abrir sacos de plástico, daqueles fininhos. (Já assisti ao espetáculo de ver uma padeira a fazer isto tudo de seguida, ou seja cuspir nos dedos para abrir o saco de plástico, agarrar no pão para o meter no saco, agarrar no dinheiro e contá-lo e voltar de novo ao princípio, cuspir nos dedos, etc. etc. Aproveito só para dizer que era o melhor pão da região. A padaria foi fechada, porque este mundo é muito injusto…)

“Dar à língua” é uma coisa que toda a gente faz, uns com mais jeito e frequência, outros com menos.

A “língua afiada” das comadres é uma instituição nacional e o linguarejar também. Das comadres e dos compadres e muito especialmente daqueles que só sabem dar à língua, que falam muito e fazem pouco.

Depois há a linguagem, o linguagista, o linguajar, o lingual, o linguaraz, o linguareiro, a linguariça (que é como os alentejanos chamam à linguiça), o linguarudo, o lingueirão (na vertente de língua grande). A lingueta (que é a irmã mais pequena do lingueirão, além de outras coisas), o linguete (que ainda é primo), o liguífero (que tem língua ou órgão em forma de língua, ah, ah, ah, esta faz-me rir), o linguiforme, o (ou a) linguista, que trata da linguística, há a linguística que é sujeito e o linguístico que é adjetivo (prazer em conhecer-vos), há o liguístico-literário (que quase podia ser eu agora), há (já poucas, direi eu) a lìngula (espada romana, estreita e comprida) e, quase para finalizar, há a linguodental e a línguopalatal.

Acabo em grande com o língurteiro que é um linguareiro que quis ficar no fim da lista, talvez por ser um falador maldizente, um bisbilhoteiro, um tagarela. Aqui está uma coisa que eu não sou…

Claro que não falei no linguado, pois não o podia meter no mesmo saco. Para o fim deixam-se sempre os amigos e já por diversas vezes ao longo deste blog me tenho referido ao “meu amigo linguado” com que sempre me dei muito bem.

E para além do peixinho pleuronecto de corpo achatado que ele é, e tem orgulho em ser, também há outro linguado de que eu gosto especialmente.

Uma pequena pausa, para criar o suspense que a cena requer… e lá vem ele, o linguado de papel, que como toda a gente sabe é uma tira de papel onde se escreve o texto destinado à impressão (escrevia, direi eu hoje, porque toda a gente, da imprensa pelo menos, escreve nos computadores). Até eu, não sendo jornalista, ainda hoje, se tenho de tirar um apontamento ou escrevinhar qualquer coisa à mão, escrevo em tiras de papel (em geral divido uma folha A4 em 3 tiras horizontais).

E foi este um pequeno tratado sobre a língua, que não esgotei, onde não disse tudo o que sei, porque temos sempre de reservar qualquer coisa, para não nos acusarem de sermos uns línguas de trapos.

Ora um língua de trapos, para além de desbocado e intriguista é também um trapalhão que faz mal o serviço com a língua.

E eu, não sou um língua de trapos.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

 

publicado por Carapaucarapau às 12:54
link do post | comentar | favorito
14 comentários:
De Carapau a 2 de Fevereiro de 2013 às 15:34
Então começo mesmo pelo linguado. Há grelhado e "au Meunier". Este sr. Meunier foi com certeza um francês ilustre (fui à internet e aparecem vários, desde um pintor a um anarquistas/bombista). Acabei por não ficar a saber qual era o especialista em linguado, não sendo de desprezar a hipótese de todos eles o serem...
Arrumado o linguado, vamos à língua do bacalhau, que a ilustre comentadora diz que é uma grande falha minha ao não lhe fazer referência.
Falta de atenção, pois ela aparece referida no periodo dedicado às línguas, imediatamente antes das do gato.
Quanto à língua do Carapau...não é referida porque isto é um sítio sério, onde só entram línguas referenciadas nos tratados.
Esta do "só entram línguas..." é uma frase que também podia dar origem a um tratado, se eu fora tratadista. Mas não sou. Eu só trato disto. :)
Bjo.


De Labirinto de Emoções a 3 de Fevereiro de 2013 às 21:00
Não és tratadista...mas eu tambem resolvi tratar disto...para te explicar quem era "Meunier" e longe de mim nao ser uma pesoa também séria...(salvo quando me estou a rir...)
"....Muito apreciado na corte do rei Luís XIV, o linguado é um dos peixes «nobres» mais cozinhados na gastronomia francesa. O termo «meunière» faz referência ao moleiro (meunier), o artesão que fabricava a farinha de trigo, pois o linguado é revestido de farinha antes de ser cozinhado."
Afinal o homem nem era pintor, nem anarquista/bombista...mas moleiro!
Mas continuo a pensar...que coisas fará a lingua do carapau...que nem o diabo sonhava...???
E pronto já chega de linguados...e como pessoa séria que sou...deixo-te um beijo na testa em sinal de respeito...ahahahahahah



De Carapau a 4 de Fevereiro de 2013 às 19:51
Preparava-me eu para fazer uma dissertação sobre o "meunier" e a meuniére", quando resolvi ir colher umas informações à internet. Esta coisa da língua parecia fácil e pacífica e afinal deu-me água pela barba...
Dei uma vista de olhos sobre vários artigos e acabei por accionar a tradução automática de um deles, que apresento a seguir:

"Nenhuma das suas receitas de prato principal caso contrário chato vai gosto tão bom quanto depois de você ter empregado este molho meuniere simples para ele. Eu estava cético em primeiro lugar como o que fazer com ele. É diferente de facto mas não obstante incrível. A maioria de receitas de prato principal qualquer cursos têm algum tipo de molho com ele. Depois de ter esse pensamento, que eu disse a mesmo do que eu preciso para experimentar novos molhos cada vez que eu fazer algo diferente, e a minha experiência para o último par de diferentes bifes tive este molho meuniere fez meu bife do dia para o chato velho receitas de prato principal. Tudo que posso dizer é verificá-lo e me fale o que você pensa sobre isso".

E acabei por concluir que afinal isto sim é que é língua!
Com uma língua destas qualquer pessoa não teria dificuldade em arranjar emprego (para a língua, já se vê) quanto mais não fosse como esfregona.
E como a minha nunca desceu tão baixo (ao nível do chão como a esfregona) fico por aqui.
Antes um anarquista ou um pintor, ou uma anarquista e uma pintora.
Bjo.




Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds