Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

Eu e as canadianas

                          

Já por diversas vezes, ao longo da vida, tive contactos muito próximos, ia a escrever “quase íntimos”, com canadianas.

 

Das vezes em que isso aconteceu, acabei por me dar bem com elas, que por sua vez me ajudaram bastante. Era bom senti-las nas axilas, perceber que podia confiar nelas e agarrá-las com força para ir onde pretendia. Quando eu descansava elas também descansavam, ainda que, em certas ocasiões, eu enroscasse uma perna minha nas delas. No mínimo era confortável.

 

Depois de por duas vezes ter andado com elas para tudo o que era sítio, de inclusivamente elas terem assistido a cenas um tanto ou quanto hilariantes, mas comportando-se sempre com dignidade e discrição, um belo dia, estava eu separado delas, e já pela segunda vez, uns amigos convidaram-me para ir a uma tourada. Era um domingo à tarde, em pleno verão e eu não estava nada virado para esse lado, antes me apetecia uma bela sesta domingueira, que a semana tinha sido trabalhosa. Recusei portanto o convite e eles lá foram sem a minha companhia. Voltei a encontrá-los no dia seguinte e contaram-me toda a “tourada” que tinha havido (nos arredores de Lisboa, em terra de touros e toureiros).

 

Claro que não falaram da tourada propriamente dita, mas sim de duas canadianas que tinham “conhecido” durante a tourada e a quem prodigalizaram os seus muitos conhecimentos sobre a festa brava. E de tal modo se houveram que, no fim, as canadianas voltaram com eles para Lisboa e foram jantar principescamente os cinco (eles eram três e elas eram duas, havia um “problema” a resolver mais tarde…).

 

No fim, depois de várias peripécias e propostas para verem Lisboa à noite, elas alegaram cansaço, combinaram isso para a noite seguinte e pediram para as deixarem no parque de campismo de Monsanto, onde estavam acampadas.

 

Isto contaram-me os meus amigos, ao jantar de segunda feira. Havia porém um problema. Um deles tinha de ir esperar uns familiares que chegavam a Lisboa e outro tinha de ir trabalhar à noite. Sobrava um, mas faltava outro. Claro que fui mobilizado e de bom grado avancei com o “sobrante” para Monsanto. O encontro estava aprazado para as 21 horas.

 

Chegados lá, esperamos do lado de fora do Parque (não podíamos entrar) e pouco depois o meu amigo viu-as, através da rede, no restaurante do Parque, estariam a acabar de jantar.

 

O tempo passou, elas não davam mostras de se prepararem para sair e entretanto havia mais quatro carros junto ao nosso, todos com dois “cavalheiros” também em pose de espera. Uns esperariam umas francesas, outros umas inglesas, outros talvez umas japonesas... Enfim, davam ares que estavam como nós, à espera de alguém.

 

Como o tempo passava e nada de elas aparecerem, decidi dar uma volta a pé ali pelas redondezas e ouvi uma conversa de um dos pares de “cavalheiros” e fiquei com a impressão que também esperavam as mesmas canadianas. Disse isto ao meu amigo e resolvemos fazer uma “conferência de imprensa” com todos eles. Estava certíssimo: todos (éramos 10) esperavam as mesmas “gajas”, que lá dentro se divertiam à grande e à canadiana com a cena. Tinham-nos pregado uma partida.

 

Para não perdermos a noite e depois de umas valentes gargalhadas combinamos os 10 ir a qualquer sítio beber um copo para “comemorar” a cena.

 

Foram estas as únicas que me traíram nos meus contactos com canadianas. Talvez por isso, alguns anos depois, voltei a andar agarrado a mais duas, “agarranço” que desta vez durou uns meses, culpa dum tendão de Aquiles, que infelizmente era meu e estoirou.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

 

 

 

publicado por Carapaucarapau às 18:13
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30
31


.posts recentes

. E vai (mais) um...

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds