Quinta-feira, 18 de Agosto de 2011

Eu e "eles"

 

                 

                  (Podia ser este, mas é bem maior)

 

“Eles” são os cães. Em geral tenho um bom relacionamento com eles e eles comigo. Entendemo-nos.Mas há sempre exceções.

Por estes dias tenho por vizinho um Serra da Estrela que não nutre por mim nenhuma simpatia. Conheci-o era ele pequeno de 2 ou 3 meses e aí o nosso relacionamento foi fácil. Depois estive largos meses sem o ver e quando nos voltamos a encontrar tudo tinha mudado. Ele era já um cão de avantajado tamanho e com uma força brutal e à minha tentativa de aproximação reagiu da pior maneira, avançando para mim ameaçador, a ladrar e de dentuça afiada. Durante dias fui tentando a aproximação sem resultado. Até que um dia me saturei das suas “ladradelas” e das suas ameaças e avancei para ele empunhando um pau e gritando-lhe alto e bom som.

Ele recuou, calou-se e ficou a mirar-me ao longe. A verdade é que a partir daí a situação só piorou. Eu senti isso imediatamente. Eu tinha-o humilhado e ele não ia esquecer. Um ano depois tentei “fazer as pazes”, ele pareceu-me mais pacato e um dia arrisquei oferecer-lhe uma bolacha. Atirei-lha um pouco de longe e ele deixou-a cair, farejou-a e depois acabou por comê-la. Tentei dar-lhe uma segunda à mão, aproximei-me até ao limite que a trela dele permitia e estiquei o braço com a bolacha na mão. Ele aproximou-se, abriu a boca e quando estava mesmo a chegar à bolacha deu um esticão e só não me mordeu a mão porque eu a retirei a tempo. Ainda me “lambeu” a ponta dos dedos.

Estamos nisto: respeitamo-nos (tememo-nos, para ser mais exato) e ele já deixa de me ladrar quando eu lhe falo. Mas não passamos disto até porque a nossa convivência é por curtos períodos e o afastamento por longo tempo.

Sinto pena por isso e ele nunca saberá o que perde por não ser meu amigo. Eu poderia contar-lhe histórias doutros que já estiveram no lugar que agora ocupa e sobretudo dum deles, o que inaugurou a dinastia dos cães sempre com o mesmo nome. Eu contar-lhe-ia como um rafeiro vira latas se fez meu amigo, das aventuras que fizemos durante uns anos, de como ele era o melhor caçador das redondezas, como tinha a sua personalidade, como era respeitado e querido pelas pessoas e pelas cadelas, como era respeitada a sua competência. Tudo isto sem linhagem nem pedigree como ele, mas que se impunha pela inteligência. Contar-lhe-ia como caçávamos coelhos no período de caça, os dois desarmados, mas atentos e sabendo tudo sobre como caçar. E de como para além dessa atividade de ócio ele se dava ao respeito e cumpria o seu papel de cão de guarda.

Mas o Serra da Estrela não quer ser meu amigo, não quer saber das minhas histórias e das dos seus antepassado e eu nem perco tempo a tentar contar-lhas.

Enfim, cada um de nós perde um amigo, e ele nunca irá saber as histórias de vida dos que o antecederam. Vai ser um ignorante bruto e violento e nada mais que isso.

Acontece a muito boa gente…

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 15:33
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds