Quinta-feira, 30 de Junho de 2011

História (parte II)

 

 

                                          

                                            (História, do pintor grego Nikolaos Gyris)

 

 

Depois da pré-história...

 

Corria o ano da graça de 1793, reinado da Rainha D. Maria I, que por doença tinha entregue, no ano anterior, o governo do reino a seu filho D. João, que viria a ser o VI de seu nome, quando, num dos primeiros dias de maio, a sineta da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa despertou a atenção da “rodeira” de serviço, que acorreu para retirar da “roda” uma criança do sexo masculino que ali tinha sido depositada momentos antes. Tomou conta do bebé e anotou os “sinais” que o acompanhavam: o vestuário e outras peças de roupa, já usada e remendada, e um bilhete que dizia que tinha seis dias de idade e onde se pedia que fosse batizado com determinado nome. Pela roupa que vestia e pelos parcos acessórios que o acompanhavam, deduzia-se que era filho duma família pobre, provavelmente com mais filhos, que recorria aquele expediente por falta de condições para o criar. Apresentando-se em bom estado físico, o bebé foi entregue logo no dia seguinte a uma “recoveira” que o transportou para o entregar a uma “ama de leite” que vivia numa pequena aldeia a uns 130 km a norte da capital. O transporte terá sido feito numa carroça puxada por um cavalo ou um burro, ou eventualmente numa diligência. De qualquer modo deve ter sido demorado. A “ama de leite” que o recebeu devia estar inscrita na Santa Casa, presume o “historiador”, pois de outra maneira não se percebe que a criança tenha sido enviada para tão longe. Aí viveu 18 meses e depois foi entregue a outra ama, agora já “ama de seco”, que morava numa outra pequena aldeia distante da 1ª uma meia dúzia de quilómetros. Curiosamente os homens destes dois casais eram ambos sapateiros e não terá sido por acaso, embora isto não passe de uma conjetura, já que não há documentos que justifiquem isso. Até aos 22 anos de idade o “exposto” viveu com esta segunda família, deve ter aprendido o ofício de sapateiro, e saiu da casa para se casar com uma moça vizinha. Se aprendeu bem o ofício de sapateiro, não se sabe, mas que aprendeu bem a fazer filhos isso está documentado com os oito que o casal teve. Com tal prole não admira que a família se alargasse com rapidez e em grande número. Vieram os netos, os bisnetos, os trinetos e assim sucessivamente, que se foram espalhando pelos cinco continentes.

 Num belo dia de julho, muitos anos depois, nessa mesma aldeia, nasceu uma menina que viria a ser tetraneta do fundador desta “dinastia”.

 Poucos dias depois, numa outra aldeia não muito distante, foi a vez de nascer um moço que o destino quis que, trinta anos mais tarde, casasse com a tal tetraneta do “exposto”.

Um ano depois este casal teve um filho, a “coisa mais linda” que se viu por aquelas bandas, desde que o mundo era mundo. Nasceu num quarto dum velho casarão de que aqui já se contou parte da história. O tempo foi tecendo a sua teia, a Terra foi girando em volta do Sol, e esta “adorável criança”, quando já era homem feito e quase desfeito, teve um encontro com um conhecido Sapo, que o convenceu a abrir um blog e que o transformou num Carapau.

É ele portanto pentaneto, pela parte materna, da criança que numa bela manhã do longínquo maio de 1793, foi deixada na “roda” da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Daí para trás fica o desconhecido.

Vitória, vitória, acabou a história.

 

 Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.    

publicado por Carapaucarapau às 10:48
link | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30
31


.posts recentes

. E vai (mais) um...

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds