Quinta-feira, 21 de Abril de 2011

Petrarca (parte II)

(2ª parte - 4 anos depois, no jardim do 37)

 

- Tu daí vês a miúda?

- Vejo. Está descansado que está a brincar com o Ovídeo.

- Mas não confies totalmente nele porque, lá por ser teu filho, ainda é muito novo para tomar conta da Petra.

- Tu gostas muito dela, não gostas? Também não admira. Se não fosses tu ela não estaria aqui. Até lhe puseram o nome que tem em homenagem a ti.

- Ora…

- Já te disse mil vezes. Eu ouvi falarem nisso…

- Já pensaste na volta que isto tudo deu por causa da miúda?

- É verdade! O polícia juntou os trapinhos com a médica, adotaram a miúda, nós estamos juntos, já tivemos duas ninhadas de filhos…

- Foi a sorte grande que saiu à miúda… e a ti.

- A mim?

- Sim, sim a ti. Desde que o meu dono veio para cá, deixaste de ir ao veterinário e recuperaste a alegria de viver.

- Grande alegria! Sempre de barriga cheia e a ter de te aturar e aos pequenos…

- E não gostaste não? E também não os aturaste muito tempo. Levaram-nos…só nos deixaram o Ovídeo.

- Talvez seja melhor assim. Muitos cães juntos só dão zaragatas.

- E depois sabes que estão bem e vem-nos visitar de vez em quando…

- Lá isso… Só a Lolobrigida é que eu não vejo há muito tempo.

- Mas sabes que está para fora e qualquer dia volta.

- Espera um bocadinho. Estão a chamar-me. É o Faísca…

- Não respondas a esse cão vadio. Olha que…

- Respondo, respondo que sou bem-educada. Vou ali à sebe para ver o que ele quer.

- Tu não vais…És mais teimosa que uma cadela…Não tem emenda esta Marilyn…

Passados uns momentos já com a Marilyn de volta:

- Que estás ainda a rosnar? Quem é que não tem emenda?

- O que é que ele queria?

- Tens alguma coisa com isso? Mas que mania essa de te meteres na minha vida…E logo tu…

- Logo eu, o quê?

- Nada. Cala-te boca…

- Olha a miúda a tentar abrir o portão. Tenho de ir lá.

- Não vale a pena. Ela é ainda pequena não chega ao fecho. Importas-te mais com ela que o pai e a mãe…

- Isso com certeza, senão não a tinham abandonado…

- Não era desses que eu estava a falar.

- Chega-te aqui ao pé de mim, querida Marilyn.

- Hum… que é que tu queres? Não venhas com a conversa do costume…

- Até parece que não gostas das minhas conversas… Mas agora o caso é outro.

- Então o que vem a ser?

- Tens de prometer que não contas a ninguém. Nem a nenhum dos teus filhos.

- Também são teus!

- Isso agora!

- Mau. Que queres dizer com isso? Não te admito essas insinuações. Sabes que fui cadela só dum cão. Por acaso um senhor cão, mas que está a ficar cada vez mais chato e difícil de aguentar. Qualquer dia mando fazer testes de DNA para não vires com essas desconfianças...

- Que é isso do DNA?

- Sei lá…Ouvia dizerem isso nas telenovelas, quando eu tinha tempo e me deixavam vê-las. Agora tenho que te aturar…

- Ain, ain, ain… Gosto de te ver zangada. Ficas ainda mais bonita.

- Está bem, disfarça. Mas vais-me contar essa história ou não?

- Primeiro promete que guardas segredo.

- Absoluto! Palavra de cadela.

- Não tencionava contar isto a ninguém, mas para veres quanto confio em ti, aqui vai.

- Desata essa língua. Já estou em pulgas.

- Vai-te coçar lá para longe que eu sou alérgico…

- Deixa-te disso. Conta lá!

- Ouve então. Sabes que eu conheci a mãe da Petra?

- Não me digas! Não acredito! E ficaste calado?

- Eu explico. Três ou quatro dias depois de ter descoberto a miúda no contentor do lixo…

- Ainda me lembro desse dia! Estavas todo vaidoso e eu fiz-te companhia.

- …eu fui dar uma volta pelo campo com o meu dono, como fazíamos muitas vezes.

- Foste sempre um sortudo. E eu aqui presa…

- Não me interrompas senão não conto mais.

- Está bem, conta.

- Como disse, íamos pelo caminho fora e de repente senti um cheiro que me lembrou de repente o da Petra, que eu tinha farejado uns dias antes. Fui atrás dele e descobri uma mulher que parecia que se estava a esconder. Nem pensei. Ladrei daquele jeito que tu sabes que faço quando descubro alguma coisa importante.

- Até estou a ficar arrepiada…

- A mulher deu um grito com medo, o meu dono chamou-me também aos gritos a mandar-me calar e disse-lhe para ela ter calma que eu não lhe fazia mal. Nunca me tinha falado daquela maneira. Caí em mim, calei-me  e afastei-me para a sombra duma árvore. Fiquei só a rosnar baixinho, ofendido. Era a mãe da miúda.

- Tens a certeza?

- Duvidas?

- Se tu o dizes. Com esse nariz nunca te enganas.

- E então naquele tempo… Não me escapava mesmo nada.

- E como era ela?

- Bonita. Aloirada. A Petra é a cara dela.

- E tu porque te calaste?

- Sabes que pensei muitas vezes nisso. Foi o meu instinto de cão. Percebi que o melhor para a miúda… olha nem sei bem explicar.

- Calculo…

- Bem…vou dizer-te tudo o que se passou naquela altura. A maneira como o meu dono gritou para mim - nunca o tinha feito assim – o modo como olhou e falou para ela…houve ali qualquer coisa de estranho. Eu tive o pressentimento que ele percebeu logo o que eu tinha descoberto e não quis que eu avançasse…Então calei-me. Ele depois voltou para casa e eu vim atrás dele, a passo, sempre calado. Ao chegar a casa ele ainda me fez uma festa mas eu nem retribui. Estava mesmo ofendido. Ele é polícia tinha obrigação de ter percebido e de ter tido outro comportamento comigo.

- Ainda não esqueceste?

- Não, mas agora já não ligo.

- E achas que ele percebeu que a mulher era a mãe da Petra?

- Hoje já não tenho a certeza. Mas durante um tempo andei convencido disso, porque tudo o que tinha acontecido nesses três ou quatro dias e o que acabou por acontecer mais tarde, parecia que me dava razão. Nesses três ou quatro dias ele já tinha falado com a tua dona várias vezes, com muitos sorrisos de parte a parte (até aí nem bom dia nem boa tarde, lembras-te?) e os dois sempre a falar na miúda… parece-me que nessa altura ele já pensava no que veio a acontecer…

- Quem havia de dizer? Um solteirão daqueles…

- E a tua dona? Não era também uma solteirona chata e emproada?

- Continuas a não a gramares, Petrarca!

- Nunca mais me hei de esquecer daquela vez…e das pedras…Mas enfim, não morro de amores por ela, mas como agora me trata bem e trata bem da miúda e o meu dono gosta dela…já enterrei o machado de guerra há muito, tu sabes.

- Ena! A falares que nem oPetrarca! Muito bem.

- Como é que sabes como falava o Petrarca?

- Essa pergunta é boa. Se tu não fosses tão ciumento eu diria, só para gozar contigo, que tinha sido o Faísca…

- Mau! Mau! Mau!

- Esquece. Agora foi uma brincadeira minha… Mas diz-me uma coisa: nunca mais viste a tal mulher?

- Não. Nunca mais. Durante semanas farejei por todo o lado e nunca mais a vi. Foi embora. Deve ter sabido que a miúda estava bem e desapareceu. Foi melhor assim para todos.

- Sabes Petrarca, há uma coisa que me intriga em toda esta história.

- O que é?

- Porque raio a mãe abandonou a criança num caixote do lixo e não junto à porta duma casa, ou na igreja, ou qualquer outro local onde haveria mais hipóteses de alguém a encontrar?

- Sabes por que sempre simpatizei contigo Marilyn? Porque és muito mais esperta do que pareces…ain, ain, ain…

- Que gracinha!

- Também já pensei muito no assunto e tenho uma teoria para explicar isso. Não sei é se ta devo dizer…

- Deixa-te disso e conta.

- Diz-me uma coisa, Marilyn. Quem te parece que seria capaz de descobrir a Petra ainda com vida num contentor do lixo?

- Tu descobriste.

- Ora aí está. E quem te disse a ti que não era isso mesmo que a mãe da criança queria? Que fosse eu o único capaz de…

- Petrarca! Isso agora é demais. Sei que és muito vaidoso, mas pensares uma coisa dessas… é superior às minhas forças. Sabes o que te digo?

- Cadela desavergonhada que te vou morder uma orelha…

- Não mordes não, que eu fujo. Vou jogar à bola com a Petra e o Ovídeo…

- Isso…tens cá um jeitinho… Se não fosses melhor noutras coisas…ain, ain, ain…

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.   

 

Boa Páscoa!     

publicado por Carapaucarapau às 00:25
link do post | favorito
De MagyMay a 23 de Abril de 2011 às 20:25
E a história acabou a dar "ovinhos de chocolate" ao coração.
Linda!
Agradecida, Carapau.... pelos momentos criados como bola de cristal.

Beijinho e Boa Páscoa


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds