Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Carapau e o folclore

                                

                                  Ora vira que vira...

 

 

Não é minha especialidade analisar os movimentos das danças folclóricas e apreciar os trajes e os cantares. Em geral estes são esganiçados e aqueles de cores mais ou menos berrantes, e o público, às vezes pouco e pago, também gosta de gritar.

Mas, atendendo a que no domingo passado houve romaria, depois de uns dias de danças e comilanças, Carapau subiu à terra e resolveu dizer duas palavras sobre o evento.

A primeira para a má qualidade do folclore e dos intérpretes, já que não me posso pronunciar quanto à qualidade da comida. A segunda pelo pouco entusiasmo da assistência, que já não vai a estas romarias, cansada que está com a poeira dos caminhos e falta de água potável nas fontes. O tempo de levar umas pernas de frango e uns bolinhos de bacalhau já lá vai, agora está bem, pois, espera aí que já lá vou, tenho mais que fazer.

Quanto aos intérpretes, que hei-de dizer?

 Um a tocar cavaco numa nota só e mesmo assim obrigado a desafinar porque lhe espalharam pozinhos de espirrar nas bandas do casaco e lhe atiraram pedradas o que é sempre perigoso para quem tem telhados de vidro, mesmo que seja só uma claraboiazita.

Outro, mais triste que alegre que percebeu cedo (terá percebido?) que tinha o destino marcado e não sabia que quem com ferros mata com ferros morre e que lhe havia de aparecer um nobre para fazer o papel que ele fez uns anos atrás. Além disso estava convencido de qualquer coisa que nem eu percebi o que era. Há coisas que cegam quando a capacidade de discernimento é pequena. Dele bem se pode dizer que

“Descalço foi para a fonte

O poeta pela verdura,

Com voz forte mas não segura”.

O tal nobre a quem não dou grande escolha entre ter só a nobreza no nome, pois prestou-se a ser um nobre alegre dos soares que jogaram com ele ou, se não percebeu isso, ser pouco inteligente. Há jogos que não são para amadores. Se se convencer que o pecúlio que acumulou graças aos erros dos outros lhe vale de alguma coisa, é bom que ponha os olhos no alegre a quem tirou a alegria.

Um chico esperto que como todos os espertalhaços sabia ao que ia e o que tinha de fazer para garantir o seguro de vida e que no fim grita vitória, vitória, ainda que vá até à derrota final, com a companhia dos do costume.

Um defensor que jogou ao ataque atirando as pedras que outros lhe forneceram da gaveta onde há muito estavam guardadas para usar na melhor altura e salvaguardando assim o assento onde se senta.

E por fim um coelho que escarafunchou e se aliviou no canteiro do jardim e ainda deu para cantar, qual quim Barreiros, a garagem da vizinha e outras garagens que tais.

 

Feliz por estar cada vez mais debaixo de água estou eu, ainda que saiba de ciência certa, que vou ficar com as águas onde nado mais conspurcadas com os esgotos da romaria.

 

O post previsto para hoje não era nada disto, mas pensei que não podia perder a oportunidade para dizer duas sobre a romaria e assim, à última hora, resolvi-me por este.

publicado por Carapaucarapau às 14:34
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds