Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Encher pneus

 

Comecei o ano a meter essência no tanque. Agora, aqui, para continuar vou bufar ar nos pneumáticos, por manifesta falta de inspiração. Este é o post nº 99 e o centenário está aí à porta e eu assim de mãos a abanar, sem ter conseguido até agora arranjar alguma coisinha saborosa para oferecer. Estou a ver a coisa negra…

Vamos lá então encher este pneu.

 

OOe oP

(ou a técnica de encher pneus, sem ser a bufar ar)

 

Ocupam, respectivamente, as 15ª e 16ª posições no alfabeto, considerado sem o “K”. Um dia destes, com a entrada daquele, descem um lugar na classificação. São actualmente duas entre vinte e três, passarão a ser duas entre vinte e seis, quando com o “K” entrarem também o “W” e o “Y”.

Andam muitas vezes juntas, guardando a ordem por que aparecem no alfabeto, mas na maior parte dos casos aparecem com a ordem invertida, isto é, com o P a empurrar o O. As duas sozinhas aparecem em poucas ocasiões e em geral o O usa um sinal na cabeça parecendo, neste caso, um boné de pala. O PÓ que então fazem, causa alergia a muita gente. Eu, espirro quando me aparecem assim. Outros fazem “linhas” com ele e aspiram-no.

Na aspiração também há dois processos: por meio dum aspirador, para o PÓ que se acumula lá em casa, e por um canudinho para o PÓ que é importado, sem pagar direitos alfandegários. Deste, também há quem o leve em injecções. Parece que então lhe chamam cavalo, vá-se lá saber a razão…

Por vezes, deve ser quando chove, o O usa um chapelinho e aparece o PÔ, mais no Brasil do que cá, mas só quando não se quer dizer PÔrra mesmo.

No verão o chapéu é de outro feitio, para melhor resguardar do sol, mas nessas ocasiÕes andam sempre acompanhadas. Quem PÕem e disPÕe  sabe do que eu falo.

Já na posição OP, e sozinhas, são raramente vistas. Normalmente em meios mais eruditos, seja a falar das obras de um grande escritor, seja, e aqui mais frequentemente, a falar das obras dos grandes compositores. Veja-se o exemplo “Concerto para piano e orquestra em lá menor, OP. 54 de Shumann”.

Mas não passa de uma redução duma palavra latina (op. de opus=obra).

Quando uma coisa é ÓPtima lá estão os dois pela ordem, mas com acompanhamento. E brevemente, no caso deste exemplo, o “O” vai ficar só, porque o “P” vai à vida. E em mais palavras vai acontecer o mesmo. Um tal acOrdO, em que o P não entra, a isso vai obrigar.

São duas letras que entram em muitas palavras com as mais diversas companhias, sobretudo o O que andam sempre em grandes fOlias, já que o não deixam entrar em “grandes festanças, pequenas festinhas, nem em bailes, nem em serenatas, e em tantas danças”. Mas quando entra, arrasta a perna no tangO, já que não dança a valsa, nem mesmo o samba.

No OvO (que mais parece uma cara que uma palavra) está em maioria e são precisas aquelas duas traves inclinadas para os dois juntos não fazerem um infinito \,\!\infty. Quando um O salta para cima de outro O já a coisa é mais fácil pois não fazem mais que um 8. Já no 80 são precisos três e, quando entram mais, nunca se sabe o que pode acontecer…Uma suruba não fazem, porque o O não entra nesses ajuntamentos.

Já o P é Pau para muita obra, mas nunca foi encontrado agarrado a outro P. Nem salta para cima de outro P, ainda que também dê os seus Pulos. É letra que não entra nesse tipo de coisas, coisas essas que, curiosamente, até começam por P. Ironias…

Muito Prático é mais do tiPo Pão Pão e nenhum queijo, mas emparelha com muitas letras, não indo, no entanto, com qualquer uma. Já o O é pau para tOda a Obra, querendo eu dizer que tanto vai à frente como atrás, tanto se agarra ao F como ao G ou ao H.

Ao H andou agarrado o P, em tempos, como acontecia nas “Parmácias” antigas e mesmo quando duas pessoas “POdiam”, bem ou mal, uma com a outra. Mas não era de seu feitio essa companhia e desligaram-se. Depois deixou essas coisas para o F sozinho e por isso nunca mais se juntaram. O P é “Porreiro Pá”, já o F está Feito para outras Funções (bem agradáveis muitas vezes, mas isso já sou eu a falar).

Mas a conversa é sobre o O e o P, as outras letras também darão PanO para mangas, mas noutra OcasiãO. No PratO, no PatO, no PitO e quando se empoleiram no PináculO, uma abre e a outra fecha. Já numas boas aPOstas deixam esse trabalho para outros. No meio da corruPçãO, está o P, e o O aparece no fim para fechar o negócio.

Por falar nisto, nenhuma das duas (O e P, recorde-se) é suspeita de estar metida na sucata, mas têm ParceirOs POlíticos que estão metidos até ao PescoçO. Uns OPinam sobre a OPacidade  das OPerações, outros OPõem-se, OPortunistas, na esperança de também virem a ser convidados para OPíParOs  almoços.

O e P dão valiosa colaboração aos PhilhOs da Puta, mas enquanto o P só ajuda os que fazem Panelas, já o O entra em quase todas, desde o Ócaraças até outros PalavrÕes de importância superior.

 

Isto só não foi um POst para encher chOuriçOs, ou mesmo Pneus, porque as duas letras não se entenderam sobre o assunto, mas depois acabaram por chegar a acordo e fizeram um PactO. Encheram um PneumáticO e um PaiO. Sendo com carne do lombo, nem é PiOr…

“PiOr que o PaiO do PriOr só mesmo o PaiO do ProcuradOr” (mas isso deve ser da qualidade da carne). Isto dizem as beatas, que é coisa onde P e O não metem o bedelho.

E ProntO, cheguei ao Phin(O)!

 

(Também era  _ _ssível escrever sem _s  e _ês , mas nã_ era a mesma c_isa)

 

 

 

 

publicado por Carapaucarapau às 12:52
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds