Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

O Mastro

 

 

Eu não podia perder esta!

No Jornal de Notícias de 16/12/2009 vem a seguinte notícia, de que transcrevo algumas passagens:

 

Um milhão de euros é quanto vai custar um mastro com cem metros de altura que a Câmara de Paredes vai construir para içar uma bandeira nacional.

Deverá ser uma das maiores bandeiras portuguesas do Mundo a ser içada, quase tão alta como o monumento do Cristo-Rei, em Lisboa, e com mais 25 metros do que a Torre dos Clérigos, no Porto. O mastro com cem metros será maior que o Big Ben, em Londres, e a bandeira terá 25 por 16 metros.

Pelo tamanho do mastro, a bandeira içada em Paredes poderá ser avistada de Braga ou até de Aveiro.

"Este monumento permite georreferenciar o concelho de Paredes", explica o autarca que espera cativar apoio financeiro em mecenas privados. Adianta ainda que o monumento será simples: "Terá apenas um pequeno motor eléctrico para içar a bandeira".

 

Para quem quiser ler a notícia na íntegra pode ir aqui, pois encontra umas coisas e uns nomes interessantes…

A mim, aqui e agora, interessa-me o mastro. Dou comigo a pensar em como a minha vida poderia ter sido diferente se eu também tivesse um mastro, já não digo que se visse desde Aveiro ou Braga, nem que superasse o Big Ben, mas pelo menos que fosse avistado por algumas das minhas vizinhas. Que fosse como que uma georrefência (com pedido de licença ao presidente da câmara de Paredes pelo uso da palavra), para o mulherio das redondezas. Assim, quando alguma se sentisse perdida ou desorientada, olhava aqui para as minhas bandas e com os sentidos fixados no mastro, orientava-se e orientava a sua vida.

Porque um mastro, respeitável público, não é um pau ao alto. Ou melhor, não é só um pau ao alto. É um farol, uma torre de emissão de ondas, que orienta, que desperta o interesse, que satisfaz (ou pelo menos deve fazer por isso).

Ora se eu tivesse um mastro desses, que pelos vistos vale 1 milhão, eu seria o farol que iluminava o caminho, seria a Meca para onde se voltariam as almas necessitadas (“almas” é maneira de dizer, porque nestas coisas de mastros os corpos contam muito), seria o conforto de tanta gente. E, sendo munido de um motor eléctrico, com um simples toque no botão estaria sempre apto a ser içado, o que não acontece com qualquer mastro até hoje conhecido. Por muito boa que seja a qualidade da madeira, há sempre pequenas falhas, às vezes, direi mesmo sempre, nos momentos mais delicados.

Daí que ao ler a notícia, eu entenda muito bem o Sr. Presidente da Câmara de Paredes. Há lá coisa melhor, para o bem das gentes de Paredes, que passarem a ter um mastro para se orientarem. Direi mais: para sonharem, para darem asas à imaginação, pensando quão felizes seriam se dispusessem de um mastro assim para… para…sei lá para quê! Para pendurarem a roupa por exemplo. Para as pessoas de Aveiro ficarem cheias de inveja, por não terem mastros como os de Paredes. Estou em lançar daqui uma palavra de ordem: “Povos de todas as terras, exijam mastros que se vejam e não deixem que as vossas cuecas, que os vossos sutiãs, que as vossas peúgas, mesmo que as vossas bandeiras, sejam pendurados num pauzito com 2 ou 3 metros de altura. Mastros ao alto e mastros que se vejam!”

 

É por estas inesperadas notícias que a vida conserva o seu interesse. E eu, que nunca tinham pensado em tão importante assunto, agora vejo tudo mais claro. Um mastro assim, satisfaz no presente (um milhão deve dar de comissões…ora bem… três vezes sete são…não é 3  é 4 vezes…pois…é só fazer as contas) e satisfará mais tarde (quando já se fizerem mastros mais sofisticados e este tenha de ser vendido para sucata), um bom sucateiro, que fará um bom negócio, que dará umas boas comissões…É só fazer as contas! Não deve ser por acaso que o mastro de Paredes é para ser avistado de Aveiro. Ele há cada coincidência…

E foi assim que um post, que começou com um mastro virado para um certo objectivo, certamente elevado, caiu no mundo rasteiro e sujo da sucata.

 

E agora fica aqui uma dúvida: será que um mastro com um motor eléctrico não será a mesma coisa que um zequinha vibrante?

 

 

 

publicado por Carapaucarapau às 12:50
link do post | favorito
De Maria Araújo a 18 de Dezembro de 2009 às 19:46
Oláááááá.
Fiquei sem palavras.
Isto está demais!
Ai o povo como anda, dasssssss!
Portugal ao rubro.
Biba Portugal!
Olha, até vou enviar este post para um amigo de Braga, no Brasil. Vai adorar ler isto.
Beijinho.



De maria teresa a 19 de Dezembro de 2009 às 10:36
Biba o mastro! Que tem dado tanto que escreber!
Ora é ensebado, ora tem bandera, ora tá a meia haste, ora tá a haste intera, ora tá inbisíbel pra uns, ora tá bem bisíbel pra outros...
Mas que raio, só eu não bejo nada de nadinha.
E eu tou com tanto que faze e ando prá qui a estreitá...


De Carapau a 20 de Dezembro de 2009 às 14:27
Maria Teresa!
Deixe lá o muito que tem a fazer que não perde nada em vir aqui.
Isto é "coltura" da boa, quer a bandeira esteja içada ou não.
Se vê o Mastro ou não, isso não sei...
Garantidamente se for de Aveiro ou Braga vê. Se for doutra terra, pelos vistos, só fazendo pela vida.
Aleluia! :-)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds