Sábado, 5 de Dezembro de 2009

Gente (IV)

Desta limitada série "Gente que eu conheci", outra figura que não esqueço.

 

 

O Caldelas

 

   Ainda mesmo os mais madrugadores se viravam uma última vez na cama a dormir mais um migalho ou a saborear o quente do ninho, e já o Caldelas vinha de saco de serapilheira ao ombro, depois de recolher a caça, que os laços e outras armadilhas tinham angariado durante a noite.

   Já perto de casa fazia uma última tentativa com o furão, a ver se saca de um buraco um láparo que lhe escapa havia já uns dias. Operação rápida, pois convinha não se expor muito, já que o dia ia clareando. Depois entra na aldeia, com o furão escondido entre a camisa e a pele, um casaco surrado a compor a figura, o saco ao ombro, com os apetrechos proibidos e com as proteínas.

   Arruma o material, mete o bicho no esconderijo, pendura os dois coelhos laçados e esfola-os enquanto o diabo esfrega um olho. Enche as peles com palha e põe-as a secar. Depois leva os dois láparos, já amanhados, para casa e coloca-os num alguidar. O resto já será com a mulher, que aparece nesse momento ainda com os olhos meio fechados e a espreguiçar-se. Os filhos, duas elas e três eles, aparecem daí a pouco à procura de qualquer coisa que se mastigue.

    Este é o começo de um dia típico do Caldelas. Começo e fim, direi agora eu, pois  durante o resto do dia, ele já não fará grande coisa.

   A casa onde moram é pequena e modesta e tem, nas traseiras, um terreno também ele exíguo, que a família cultiva. Desse terreno vem os acompanhamentos, do saco do Caldelas vem o conduto. Quando os engodos não funcionam durante a noite, o homem dá a volta mais pelo largo e, desde que se ande com os olhos bem abertos, há sempre um pato a patinhar nalgum charco, uma galinha tresmalhada, ou em último recurso, e se for o tempo dela, umas peças de fruta prontas a serem ensacadas. Com o saco vazio só muito raramente volta para casa.

   O Caldelas é disto que gosta e é disto que sabe. Na época oficial de caça tira a sua licença, sai de espingarda ao ombro, e faz as suas caçadas na legalidade, descontando as pequenas ajudas que o furão lhe vai dando aqui e ali, que um homem também não consegue cumprir todas as leis ao mesmo tempo, tantas elas são.

   Uns copos e umas larachas nas tascas “en passant”, por vezes umas valentes bebedeiras, que a vida não é só trabalho, e aí está a receita de vida do Caldelas. Por falar em trabalho, nada de confusões, que é como quem diz, nada de cavar ou sachar o dia inteiro, de sol a sol, como quase toda a gente na aldeia faz. Isso é mesmo para os outros, mulher e filhos mais velhos incluídos. Ele tem mais que fazer, como já se disse. Lá de onde em onde uma mãozita rápida a encanar uns feijões ou a capar uns meloeiros na horta, no tempo deles, mas sem se prender muito. Com um “acabem lá o resto que tenho uns assuntos para tratar”, dito para a mulher e filhos, termina invariavelmente a sua rápida prestação.

   De bem com todos mas sem grandes conversas, o Caldelas passava mais ao lado das pessoas do que das coisas. A caça, a legal e a ilegal, absorviam-no todo o ano, juntando a essa actividade também a pesca. Não a pesca com linha e anzol, paciente e pouco produtiva, mas sim a pesca “industrial” e evidentemente proibida, com uns lanços apressados de tarrafa nas cascalheiras do rio, ou, mais raramente diga-se, uma bombita ou outra num pegão mais escondido, onde o peixe mais graúdo era garantido. Isto em golpes rápidos e só meia dúzia de vezes por ano, que o homem gostava mais de carne do que de peixe. Por esses tempos os rios ainda tinham peixes, os matos tinham caça e havia poucos caçadores e ainda menos pescadores. E como o Caldelas era profissional 365 dias por ano, sem direito a férias, e não havia mais nenhum como ele nas redondezas, bem se podia considerar o rei da floresta.

   Um dia o padre da freguesia, saído há pouco do seminário, mas tendo sabido, certamente em conversas mais com o Demo do que com Deus, das habilidades especiais do Caldelas para a caça, quis fazer uma caçada com ele. Contrariado o velho lá teve de aceitar uma tal companhia, mas como era evidente logo à partida, a coisa correu mal, o padre falhou um ou dois coelhos, o Caldelas que nem a Cristo perdoava, pegou-se com ele e a caçada acabou cedo.

   Um dia, era eu já mais crescido, numa conversa a sós, ele confessou-me que não era muito de latins e Padre Nossos. A mulher e as filhas lá iam à missa ao domingo, os filhos andaram na catequese, mas ele Caldelas, já nem era capaz de dizer a Salvé Rainha. No entanto, acrescentou, sempre se deu bem os padres. “Sabes – disse-me ele – dá sempre jeito. Se não fosse este bom relacionamento com o padre não tinha livrado os rapazes da tropa”. 

   Por isso é que aquele episódio de caça com o Padre não impediu que continuasse a dar-se bem com ele. Assim, de vez em quando, o Caldelas lá deixava em casa do padre um ou outro coelho ou perdiz. Mas caçadas juntos, nunca mais. Tudo, menos aturar pixotes na arte do tiro.

   Comecei a conhecer o Caldelas, era eu então um rapazinho de escola onde andava com um dos filhos dele. Ainda hoje quando os encontro, embora raramente pois andam todos pela estranja, falamos desses tempos e em geral sou eu que lhes lembro as histórias do pai. Eles acham piada, riem-se muito e acrescentam sempre mais um ou outro pormenor. E revejo neles, o mesmo sorriso irónico e o mesmo olho vivo do velho Caldelas.

 

publicado por Carapaucarapau às 12:49
link do post | favorito
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2009 às 21:05
Olha, vou falar muito a sério. Talvez este seja, a meu ver, o teu melhor post. É diferente do teu habitual estilo, não tem grandes apontamentos humorísticos, mas é um post do caraças. Continuaria a ler o livro todo ;) Agarrou-me mesmo!



De calenditas a 7 de Dezembro de 2009 às 21:04
Reli o texto. Faz-me lembrar o Torga. Olha que é um elogio e não uma ideia de plágio.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds