Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Um conto de Natal

 

 

Um presépio original

 

Passavam das 22 horas do dia 24 de Dezembro, quando o telefone tocou naquele quartel de bombeiros, onde só se encontravam quatro pessoas, que constituíam o piquete de urgência.

Era requisitada uma ambulância para o transporte de uma parturiente, de uma aldeia próxima para o hospital distrital.

A ambulância saiu com João Flores como condutor e Manuel Lopes como socorrista.

Tinham um pouco menos de uma hora de caminho para cada lado. Já não chegariam antes da meia-noite ao quartel, para a consoada, mesmo se tudo corresse bem.

O que parecia não ser o caso. Se os primeiros quilómetros tinham sido fáceis, agora ao entrar na zona da serra, tudo se estava a complicar. Apareceu a chuva que se veio juntar ao frio intenso e João refreou a marcha, não fosse haver algum despiste. Era uma corrida contra o tempo, o tempo que o relógio media, mas o outro tempo – o metereológico – não estava a colaborar. Mais à frente caíram uns fiapos de neve.

- Mau! A coisa está a ficar feia, Manel.

- Isto passa. Costuma ser só neste pedaço de estrada que às vezes neva um pouco.

De facto pouco depois deixou de nevar e só a chuva continuava a cair, serenamente.

Algum tempo depois chegaram à aldeia e embarcaram a parturiente. Era um primeiro filho, o que punha toda a gente em alvoroço. Deitaram-na na maca, fixaram a maca na ambulância e partiram sem perder tempo. Seguia também o pai da criança. Arrancou a ambulância, e passado pouco tempo, a parturiente entrou em convulsões. Manuel atrapalhado tentava acalmá-la dizendo-lhe para respirar fundo. Estavam sensivelmente a meio do caminho quando entrou em trabalho de parto.

-João! Pára e anda aqui. A criança está para nascer. Telefona para o hospital a pedir assistência.

Pelo telefone um médico ia sendo informado e ia dando indicações. Não era só para a mulher que ia ser o primeiro parto. Nenhum dos presentes tinha experiência em tais trabalhos, nem mesmo o socorrista que se tinha limitado a ter alguma formação. A mulher gritava, o homem não sabia o que fazer e Manuel tentava acalmá-la e a transmitir-lhe as indicações recebidas pelo telefone.

Já tinha saído do hospital um carro com um médico e uma parteira, dentro de meia hora estariam a chegar.

Mas estava escrito que não chegariam. Daí a pouco foram informados disso mesmo. Um nevão não permitia que o carro avançasse. João meteu o nariz de fora e ficou espantado com o que viu. Um manto branco cobrira tudo em alguns minutos, sem se terem dado conta, tão absorvidos estavam com o problema que tinham entre mãos. Agora nem podiam avançar nem recuar. Sem auxílio do exterior tinham de resolver o problema ali mesmo.

Do hospital informavam que, a continuar a nevar assim, só era possível o auxílio na manhã seguinte, por helicóptero.

A tensão era tanta que ninguém sentia frio, nem se apercebiam da baixa temperatura que teriam de enfrentar toda a noite.

Alguém tinha de fazer alguma coisa, mas nem saberiam quem nem como.

Mas esse “alguém” acabou por aparecer. Era um milagre certamente. Primeiro a cabeça, depois lentamente o resto do corpo, certamente incitado pelos gritos roucos da mulher, e de repente ele aí estava inteiro e pronto a substituir a mãe nos berros. O primeiro choro, o cordão umbilical, uma primeira limpeza com que havia disponível na ambulância, as últimas indicações do médico, o cuidado a ter com o frio e agora era esperar até de manhã.

Já mais calmos e agora sorridentes enquanto o cachopo se agarrava à teta materna, o João disse que não ia haver problema, havia muito combustível no depósito, que iria dar para deixar o motor a trabalhar para terem aquecimento durante toda a noite.

- É meia-noite. – Disse o João a olhar para o relógio. É o nosso Menino Jesus!

- É verdade. Temos o Menino, o Pai e a Mãe. Se tu, João fizeres de burro eu faço de vaca e temos aqui armado um presépio bem original.

E só o Menino não riu porque mamava. De resto foram quatro gargalhadas, que só a neve a cair, não deixou que fossem muito longe.

 

publicado por Carapaucarapau às 17:49
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Pó e teias de aranha

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

.arquivos

. Novembro 2018

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds