Quinta-feira, 30 de Abril de 2015

O edredão

Há dias fui testemunha de uma conversa sobre o edredão. Falavam sobre a qualidade, os de penas e os outros, uns melhores outros piores, etc. etc. Isso fez-me lembrar o meu primeiro contacto com um edredão, já lá vão uns bons anos (mais corretamente uns anos bons e outros menos bons, mas não é isso que interessa para o caso).

Já agora e para que este blog preste mais um serviço público, convém dizer que edredão é um galicismo e até é bem mais chic aplicar o francês “edredon”. A palavra parece ter origem no sueco, onde se diz “eiderdun”, ou seja “penugem de êider”, sendo êider uma espécie de ganso.

Dada esta explicação, sem qual este post não acrescentava nada, vamos lá à minha história.

Como eu disse ali acima, “naquele tempo” tive de fazer uma viagem ao centro da Europa, aproveitando a boleia de um amigo e ao mesmo tempo fazendo-lhe companhia. Ele namorava uma alemã, que viveu alguns anos em Portugal e que naquela altura estava a trabalhar na Alemanha e ele ia lá para se casarem. O casório seria dali a uma ou duas semanas e ele ia uns dias antes para tratar dos pormenores. A família e os convidados iriam mais tarde. Ele convidou-me, eu não podia assistir à boda mas aproveitei a boleia para ir até à Suiça tratar dum assunto. Viagem feita num velho Wolkswagen já velhinho (membro da velha família dos “Carochas”). Peripécias durante a viagem não faltaram, mas não por culpa do carro, que se portou na linha.

Quando chegamos à Suiça, onde ficamos uma noite, cheguei à conclusão que teria de ficar 2 ou 3 dias sem programa, porque a pessoa a quem eu ia “dirigido” estava de urgência no hospital onde trabalhava. Então o meu amigo a quem dava jeito a minha companhia, desafiou-me a ir com ele até Munique, ficava lá esses 2 dias e voltava de comboio para Lausana. Dito e feito, no dia seguinte metemos o “Carocha” ao caminho. Correu tudo bem, lá chegados a noiva esperávamo-nos ansiosamente (entenda-se: o “ansiosamente” era só para o noivo…) e até já nos tinha arranjado alojamento numa casa particular (nos arredores da cidade).

E estamos chegados ao momento “M” da minha história, pois o momento “M” do meu amigo foi outro.

Eu e o noivo íamos ficar no mesmo quarto, ainda que em camas separadas. Quando me meti na cama e senti “em cima de mim” o peso pluma do edredão de plumas (e é altura de confessar a minha “qualidade” de friorento, que exigia uns 20 kg de cobertores na cama para me sentir quentinho) fiquei aterrorizado. Como me iria aguentar e passar a noite com aquele “não-peso” em cima?

Foi então que resolvi transmitir ao meu companheiro as dúvidas que me atormentavam sobre se iria aguentar a noite assim (o tempo ainda estava fresco). E acrescentei… para não se admirar se às tantas eu lhe saltasse para a cama e me agarrasse bem a ele, para aquecer.

Ele deve ter dito qualquer coisa como “tem juízo vê lá no que te metes…” e acrescentou “vais ver que daqui a pouco estás bem quente. O edredão de penas é um forno”. (Claro que ele já sabia coisas sobre o edredão. Sabia coisas sobre e sob, sendo que neste caso o “sob” era o mais importante).

Lá me encolhi a ruminar as minhas dúvidas, adormeci e acordei a meio da noite a transpirar.

Foi a partir daí que começou o meu idílio com qualquer edredão com quem já me tenha deitado.

Com este, na Alemanha, foram só duas noites. Mas lá diz o velho ditado popular “não há amor como o primeiro”.

Em conclusão: o meu amigo casou dali a dias e eu “ajuntei-me” a um edredão.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.

E tu caro Lince por onde andas? Deram-te algum edredão para passares as noites, aí pelo meio do descampado? Ou já regressaste à base?        

publicado por Carapaucarapau às 15:04
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Maria Araújo a 30 de Abril de 2015 às 17:35
Pois, Carapau, provavelmente e só tu pode dizer, naquele tempo os edredons (edredões) ainda não tinha chegado a esta naçon.
São tão quentinhos, carago! E olha que desde que comprei um duplo, que nunca mais quis nada na cama, isto é, dispensei os cobertores.


Beijinho


De Carapau a 1 de Maio de 2015 às 19:51
Naquele longínquo tempo dos "Carochas"
Ninguém conhecia por cá o quente "edredon".
Creio mesmo que nem as úteis galochas
Tinham chegado cá a esta "belha naçon".

Quando conheci o 1º edredão
E acordei com o seu calor
Achei que ele era tão bão
Que passou a ser o meu amor.

:)
"Duplos" só conheço os do cinema!
Bjo.


De GL a 5 de Maio de 2015 às 00:59
Vá lá, vá lá, não foi nada mau!
Não é todos os dias que se encontra um edredão, edredon, o que se queira dessa família, que seja um dois em um: aquece e propicia uma sessão de sauna.
É tão exagerado este dono (ex dono) do belo carocha!
Ora faça a fineza de dormir bem, com ou sem edredão.
Quer outro abraço? Então está bem, mas só para a próxima.
Ah, pois!...


De Carapau a 6 de Maio de 2015 às 18:28
Um esclarecimento: o dono do Carocha era o noivo. Eu ia de boleia e de "cavalheiro" de companhia.
Exagerado eu? Quem disse tal coisa? Tão quietinho aqui no meu canto...
Abraço.


De Sam a 14 de Maio de 2015 às 14:23
Para quem gosta de redes sociais e quer ganhar uns € extra inscrevam-se na Tsu! É só por convite!
Deixo aqui o link para os interessados:
https://www.tsu.co/Samg


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds