Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

Pulítica

É verdade, hoje aqui há pulítica, mas da boa (com us em vez de oo), ou não estivéssemos no chamado período eleitoral, que é aquele período que também ataca os pulíticus.
Não tenho nada contra eles, nem duma maneira geral nem duma maneira particular. Sei que se não for Zé é Manel (também podia ser Maria ou Francisca, mas a coisa não se inclina muito para esse lado, pelo menos aqui no “jardim à beira mal plantado”) e que, com ligeirísssimas diferenças, são “farinha do mesmo saco”, como costuma dizer com frequência um “moleiro” que também entra na contenda (ou não fosse ele também “do saco”).
De saco cheio fico eu a ter de os aturar, sem contudo os aturar. Não os ouço, não os vejo (nem sequer os beijo), nem me interesso pela “altíssima pulítica” que eles “desenvolvem” neste período.
Só me pergunto (e a pergunta é muito antiga) porquê tanto tempo de campanha, dita eleitoral? Então 1 semanita, das curtas, não chegaria para vender o peixe? Ainda por cima peixe em adiantado estado de putrefação…
“Ah não”- dizem-me eles ao ouvido. “ Então como podíamos esclarecer o excelentíssimo público?” (Eles dizem Povo, que sempre enche mais a boca).
Esclarecer o quê? Alguém já alguma vez foi (se é que alguém quer ser) “esclarecido” de alguma coisa? Ou doutra maneira: as pessoas não estão já “esclarecidas” sobre tudo e há muito tempo?
Claro que aqui as águas dividem-se (divido-as eu): há umas tantas pessoas, que estão esclarecidas há muito e há outro grupo que nunca será esclarecido, nem está interessado nisso. Também não é aos berros, insultando-se reciprocamente e usando sempre os mesmo chavões que alguém esclarece alguém.
Fossem os pulíticus capazes de serem esclarecedores e não atuariam como o fazem, nas ditas campanhas. E aqui é que a porca torce o rabo e eu torço o nariz. É que os pulíticus não são “eles”, somos nós.
Fossemos nós outros e eles também o seriam. Para melhor, já se vê; mas como não somos…

À guisa de esclarecimento: que terá dado ao Carapau para pisar um terreno que não tem por costume pisar? Nem eu sei, mas talvez a falta de assunto mais interessante, como teria sido, p. ex. um escândalosito no futebol, sim porque escândalos, na política, não há.
Não fora este um blog sério e teria sempre motivos para posts com interesse. Assim a seriedade obriga-me a alinhavar, em geral, meia dúzia de tretas.
Hoje foi uma exceção (sorrindo).

Explicação final: este post foi o que deu origem ao da semana anterior, pois o considerei perdido. Como sou teimoso (quero dizer persistente) consegui recuperá-lo. Onde estava ele? Exatamente no lixo. Se tivesse pensado calmamente não me teria sido difícil concluir que, pelo assunto tratado, era na lixeira que ele estava bem. E se o tivesse deixado lá não se perdia nada.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.
E tu, Lince amigo, também és bom em tretas? E em insultos? E em etc’s?

 

publicado por Carapaucarapau às 14:24
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

O não post...

Preparava-me eu para publicar o post que tinha escrito, faltava “passá-lo” pelo meu amigo Lince para ele o pôr de acordo com as últimas novidades, quando, resolvi alterar o título com que o guardava.
Nessa altura o DDT (Dono Desta Treta) avisou-me que a mudança de nome poderia inviabilizar a abertura do ficheiro. Disse para comigo “este tipo não sabe o que diz” e mudei mesmo o título.
O grande sacrista que é o tal DDT, talvez por ter ouvido o meu resmungo, nunca mais me deixou abrir o ficheiro.
Só porque isto é um blog sério (não me canso de o sublinhar até à exaustão) eu não ponho aqui em letra de forma aquilo que chamei ao tal DDT (ainda por cima vestido com a sua última versão). Tentei fintá-lo, troquei-lhe as voltas, barafustei, usei de muitas subtilezas e ele, surdo a tudo (pelo menos parecia estar, mas creio que ouviu o que queria e o que não queria) fechou-me todas as portas. E nem pelas janelas (Windows 10) entrei.
F. da P. (Falho de Paciência) disse para com os meus botões: não é para mim, também não é para ti e mandei-o para o lixo (ao ficheiro é claro).
E agora? Reescreves tudo de novo, sendo que não sairá igual à obra prima que estou impossibilitado de publicar, não publicas nada, ou contas a tua versão dos acontecimentos, acompanhada à guitarra e à viola, pois que se trata dum fado antigo?
Nada disso. Pior que escrever qualquer treta é ter de a escrever duas vezes.
Ainda por cima um post sobre “pulítica”, coisa linda de se ver…
Contas a tua Odisseia, a tua derrota, a vitória do DDT.
E assim fiz.

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.
E a ti, Lince amigo, já te aconteceu alguma vez terem-te feito desaparecer alguma coisa? O almoço, p.e.? Sim, porque a tua companheira, essa já foi…

 

publicado por Carapaucarapau às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Setembro de 2015

Quem sai aos seus ...

Havia festa na aldeia. Eu estava a entrar em casa, quando:

- Boa tarde. Sabe quem sou?

Olhei-o e diria que nunca o tinha visto.

- Não.

- Sou filho do Mochila – disse isto como se me mostrasse o Bilhete de Identidade.

- Ah sim? – respondi para não ficar calado. Lembrei-me dessa alcunha, mas não estava a “ver” o Mochila.

- Pois sou. Posso deixar aqui a motoreta e o capacete? Vou ali à festa comer qualquer coisa…

- Pode, desde que não me estorve a saída e entrada do carro. Ponha-a lá mais atrás.

- Está bem, obrigado.

Eu entrei em casa ele lá se dirigiu para a festa.

Quando depois do meu passeio noturno voltei, ainda lá estava a motoreta e o capacete. Era normal.

No dia seguinte, de manhã continuava tudo como na véspera. Lá para o fim da tarde passou pela rua o Adriano, a quem todos chamam Sampaio, e que passa por ser o informador oficial da terra e aproveitei para perguntar:

- Oiça lá, conhece um tipo que diz que é filho do Mochila?

- Conheço, porquê?

- Porque ontem deixou ali a motoreta para ir petiscar qualquer coisa e ela ainda ali continua.

- Ah! Não se preocupe. Deve ter apanhado uma senhora bebedeira (ele disse “uma bubadeirona”, para assim a classificar em largura e altura).

No dia seguinte de manhã ainda lá estava. Só à tarde “desapareceu”.

Foi quando me pus a puxar pela memória para me lembrar do Mochila-pai.

E lembrei-me. “Vi-o” muito rechonchudo e bem disposto. Era um dos três ou quatro bêbados profissionais da terra.

Quem sai aos seus…

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince. 

E tu Lince, também sais aos teus ou nem isso? Não tenho tido notícias tuas...       

publicado por Carapaucarapau às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

Férias/Feiras

Duas palavras, as mesmas letras.

Não sou de feiras, mas nas férias frequento, quase semanalmente, uma feira lá nos meus sítios. Nunca comprei nada (a não ser às vezes uns bonés, que perco ainda mais depressa que a cabeça) mas gosto de apreciar o ambiente. Os vendedores/as que gesticulam e gritam para supostamente atraírem a freguesia e aqueles que, calados (dizem que são os melhores) aguardam calmamente que a freguesia venha ter com eles. Nesta feira/mercado há de tudo: desde passarinhos engaiolados, a ferramentas, passando pelas flores e acabando na ruidosa zona do pronto a vestir/despir, é só escolher. Num dos dias despertou-me a atenção um vendedor que berrava como um desalmado “é duas a 5 aérius, é aproveitar esta pechincha, oh freguesa veja esta maravilha”.

A “maravilha” era uma toalha de mesa tendo por motivo decorativo os desenhos e as quadras dos chamados lenços dos namorados ou lenços de Viana. Só que…

Só que esses motivos não eram bordados (com vários tipos de pontos, como manda a tradição) mas estampados numa qualquer fabriqueta, quiçá chinesa.

Havia toalhas espalhadas por toda a barraca e enquanto ele berrava eu mais ou menos disfarçadamente pus-me a copiar algumas quadras.

Às tantas ele viu-me a escrever e dirigiu-se a mim dizendo: “Oh freguês não será melhor comprar-me uma toalha que estar aí com esse trabalho? A si vendo-lhe uma por 3 aérius”.

Eu sorri e como já tinha o que queria dei meia volta e fui aos bonés.

Agora aproveitei este episódio “vacancial” para reabrir o blog, que também esteve de férias.

E, sem mais, as quadras recolhidas:

 

Coração por coração

Amor não troques o meu

Olha que o meu coração

Sempre foi lial ao teu

 

Bai carta feliz buando

Nas asas duma pombinha

Cando bires o meu amor

Dale um abraço e um veijinho

 

Aqui tens meu coração

E a chabe pró abrir

Num tenho mais que te dar

Nem tu mais que pedir.

 

Meu Manel vai pró Brasil

Eu também vou no vapor.

Guardado no coração

Daquele que é o meu amor.

 

Lenço%20das%20Quadras2.jpg

 Só para dar um pouco de cor deixo aqui um lenço dos verdadeiros.

 

Neste post, claro que o Lince não meteu o dente não fosse ele esfrangalhar-me as quadras.

 

 

 

 

publicado por Carapaucarapau às 11:45
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds