Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Dr. Lopes (II)

Mais duas pequenas histórias do médico apresentado no post anterior.

 

A 1ª, foi contada por um colega dele, que também esteve presente no seminário de radiologistas em que se passou o caso.

Resolveram os organizadores do seminário (isto passa-se numa altura em que a organização destes eventos não tinha nada a ver com o que é hoje),  que cada congressista se apresentasse: nome, local onde exercia a sua profissão e mais qualquer coisa que ajudasse a saber quem era, como experiência profissional, algum caso especial que tivesse resolvido ou algum trabalho científico em que tivesse colaborado.

Quando chegou a vez do Dr. Lopes, que tinha sido avô uns dias antes, ele lá disse o nome e a cidade onde exercia a profissão e terminou de imediato com estas palavras: “…e avô da neta mais linda que há no mundo”.

Foi uma gargalhada geral.

 

A outra história, passou-se com um doente. A mulher deste doente telefonou aflita ao Dr. Lopes a pedir-lhe para se deslocar urgentemente a sua casa, porque o marido estava muito mal e a dizer que ia morrer. O médico tentou informar-se da situação, indagou do que se passava, perguntou se não podiam traze-lo ao consultório, mas do outro lado a mulher só dizia que não, que o marido estava de cócoras junto à cama, não queria sair daquela posição e só dizia para chamarem o médico, porque ia morrer.

Perante tal situação o médico, largou o consultório e dirigiu-se à casa donde lhe pediam ajuda.

Lá chegado confirmou tudo o que lhe tinham dito. Falou com o doente, disse-lhe para se sentar ou deitar na cama e o homem negou-se a fazer isso, não parando de dizer “ai senhor Dr. não me obrigue a deitar senão eu morro”. O médico, depois de várias tentativas para o convencer, dizendo que ele estava ali para o salvar e não para o deixar morrer, lá conseguiu que o doente se deitasse, mas sem parar de dizer “ai que vou morrer”.

O médico nem teve tempo para o auscultar: o homem segundos depois de estar na cama morreu. O Dr. Lopes foi apanhado de surpresa e ficou sem saber o que dizer à, nessa altura já, viúva.

Mas lá encontrou uma saída e comunicou-lhe a morte do marido, mas acrescentando de seguida:

“Minha senhora, tenho de lhe dar os parabéns pelo marido que tinha. Era um homem de palavra como hoje já não há. Disse que morria e morreu mesmo”.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 18:28
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Abril de 2012

Dr. Lopes (I)

                             

Há dias li ou ouvi uma declaração de alguém que, a propósito de análises ao DNA, afirmou que “anda por aí muito boa gente a chamar pai à pessoa errada”.

Nada que não seja conhecido desde sempre, como prova o velho dito “os filhos das nossas filhas nossos netos são, os filhos dos nossos filhos serão ou não”. E há outra afirmação que diz que a paternidade é uma questão de confiança.

Ao ouvir a tal declaração lembrei-me do Dr. Lopes, médico de uma pequena cidade, numa altura em que não havia o Serviço Nacional de Saúde e em que os meios de diagnóstico eram ainda escassos e caros e os poucos que já havia estavam geralmente instalados só nas três principais cidades.

O Dr. Lopes era um homem alto, seco, meio curvado que fazia lembrar, diz quem o conheceu, o ator Jacques Tati no filme “O meu tio”.

Tinha um consultório equipado com aparelho de radioscopia e para além de medicina geral era especialista em doenças pulmonares e radiologia.

Dele se contavam, e ainda contam, histórias do arco da velha, a maior parte verdadeiras, mas outras já entrando no mundo do mito. Era conhecido e reconhecido dez léguas em redor e ele também conhecia meio mundo e o relacionamento familiar da grande maioria dos seus doentes, o que muitas vezes lhe facilitava o diagnóstico, mesmo antes de observar o doente.

Um dia entrou-lhe pelo consultório um cavalheiro dos seus 40 anos que ele nunca tinha visto. O doente disse ao que ia, apresentou as suas queixas e o médico começou por lhe pedir para tirar o casaco e a camisa para o auscultar. O homem assim fez e uma luzinha começou a brilhar na cabeça do ilustre clínico. Já tinha visto aqueles gestos. Os jeitos e trejeitos que o homem fez ao despir-se, não era a primeira vez que os via. Começou a pensar quando e a quem os teria visto, pois aquele pessoa era a primeira vez que entrava no consultório. Depois da auscultação começou a elaborar a ficha clínica. Quando o doente disse donde era natural, uma faísca iluminou a memória do médico. Os gestos eram dum tal padre Oliveira, entretanto falecido, mas que tinha sido pároco, durante muitos anos, na aldeia donde era natural o paciente. O padre também fora doente do dr. Lopes recorrendo a ele, nos últimos anos de vida com frequência, para pedir solução para alguns problemas que, supostamente, um padre não devia ter. Depois ele disse o nome de quem era filho e o médico disse-lhe que conhecia a família dele há muitos anos. Aproveitou para saber como estavam eles de saúde e, depois da medicação apropriada, despediu-se do doente.

 Alguns anos mais tarde o médico contou esta história a um amigo, acrescentando, que a Senhora Mãe do tal doente, quando se ia confessar, omitia certamente muitos pecados, por serem já do prévio conhecimento do confessor. E soltava uma estridente gargalhada, como era seu hábito, para além de aproveitar para lançar achas para a fogueira das suas convicções anticlericais.

O próximo post será, em princípio sobre outra das suas histórias.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 14:49
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Abril de 2012

Citações

 

                                  

- Quem originalmente me pintou foi o Picasso. Mas, tal como me apresento aqui, quem me rabiscou foi o tipo do blog, que hoje está avesso a originais.

 

Não sei se foi de estar uns dias fora da caverna habitual sem fazer nada, se do açúcar das amêndoas, se do tempo que não é carne nem é peixe, se disto ou principalmente daquilo, a verdade é que hoje não consegui abrir a caixa das ideias (ou abri e estava vazia, o que é ainda pior) e tive de pedir auxílio a meia dúzia de compadres para me fazerem este post. Todos se mostraram muito compreensivos e disseram-me mesmo que ficavam à disposição para ajudar sempre que fosse preciso. Eu não gosto de abusar, senão bem que lhes passava a pasta daqui para a frente. Assim, e para já, vou aproveitar a oferta para esta semana. Para a próxima logo verei como anda a metereologia.

A palavra, portanto, aos compadres:

 

  • Se choras porque perdeste o sol, as lágrimas não te deixarão ver as estrelas. (Rabindranath Tagore)

 

  • E se não choras, do que costumas chorar? (Dante Alighieri)

 

 

  • Não gostar do que tem e querer o que não tem – é a história de todos os homens. (F. R. Chateaubriand)

 

  • Quando me contrariam, despertam-me a atenção, não a cólera: aproximo-me de quem me contradiz e instrui. (M. de Montaigne)

 

 

  • Pensar contra foi sempre a maneira mais difícil de pensar. (Jacques Bossuet)

 

  • Roube ainda hoje! Amanhã pode ser ilegal. (Millôr Fernandes)

 

 

  • Preferia ter sangue nas mãos do que água como Pôncio Pilatos. (Grahm Greene)

 

  • Aquele que acreditar que o dinheiro fará tudo, pode bem ser suspeito de fazer tudo por dinheiro. (Benjamin Franklin)

 

 

  • Contento-me com pouco, mas desejo muito. (Miguel de Cervantes)

 

  • A castidade é a mais anormal das perversões sexuais. (Aldous Huxley)

 

 

  • A mocidade é breve mas poderosa enquanto dura. (José Régio)

 

  • Ninguém mente quando diz que se sente só. (Do filme “Até à Eternidade”, dita por Montegomery Clif)

 

Foram escolhidas um pouco ao acaso mas, reparo agora, algumas delas assentam-me como uma luva. Também não admira. Com este corpinho qualquer trapinho me fica bem.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

publicado por Carapaucarapau às 18:18
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2012

Manifesto (a pedido)

 

 Carapaus unidos jamais serão comidos!

 

“Aqui está mais uma prova que a união faz a força. Assim unidos não há arrastão, rede, anzol e outras artes que nos apanhem. Esta associação feita há tempos para defesa dos nossos direitos (reparem que não há um único carapau torto) é composta por 6 dúzias (nada de modernices de sermos pesados em balanças viciadas). Somos 6 dúzias à partida, mas seremos dezenas, centenas de dúzias à chegada. Sim, porque nós vamos chegar “lá”. E não se julgue que este “lá” é alguma nota musical ou algum churrasco. “Lá” é o objetivo a nos propomos. Escrevemos “objetivo”? Escrevemos mal, porque nós temos objetivos, no plural. Cada qual tem o seu, somos diversos, mas caminhamos todos com os olhos postos naquele “E” que nos precede e que mais não é que o nosso Éden. Lá comeremos as maçãs que nos esperam, lá cantaremos as nossas canções de paz, lá descansaremos das nossas fatigantes corridas a fugir ao arrastão”.

“Oh vós que estais já a afiar o dente, deixai lá fora toda a esperança”!

“E para aqueles que ainda não se juntaram a nós, deixamos aqui uma palavra de solidariedade e um convite: adiram e serão bem recebidos”!

“Carapau unidos jamais serão comidos! Carapaus informados jamais serão grelhados”!

 

Aqui fica, a pedido destas dúzias de amigos e compadres, esta espécie de “manifesto” que me mandaram com pedido de publicação, apelando ao sentido de “serviço público” deste blog.

Para quem quiser ler o que lá não está escrito, quero dizer que não meti prego nem estopa no “manifesto”, que não entro em grupos, que gosto de me pesar e de não ser “contado” e que dificilmente me veriam naquele grupinho de “bem alinhadinhos”. Um dia alguém pega por um e vão todos atrás.

E já agora mais uma nota: os pobres diabos dizem que vão atrás do E de Éden, quando eu só lá vejo uma fivela de cinto.

 

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        

 

 Amêndoas doces para todos !

publicado por Carapaucarapau às 01:30
link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds