Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Dicionário (3)

 

 

Como resultado de mais uma pesquisa do Carapau pelo mundo subaquático, apresenta-se  uma nova lista de palavras, que além de representarem peixes e outros animais que vivem na água, tem outros significados.

 

Baleia – constelação austral.

Barbo – tumor que nasce debaixo da língua dos cavalos.

Camarão – gancho com que se suspendem do tecto candeeiros, lustres, etc; antigo vaso de loiça; certa qualidade de pregos.

Cadelinha – cadela pequena; cachorra.

Caranguejo – placa giratória para deslocar vagões nos caminhos-de-ferro; espécie de grampo com vários ganchos para levantar fardos; variedade de ameixa; abrunho grande; signo de Câncer, constelação.

 Caranguejola – armação de madeira que está pouco firme; amontoado de coisas sobrepostas e pouco seguras; carruagem velha; carripana.

Carpa – árvore armentácea; acção de carpir a cana sacarina; (Bras.) limpa, monda.

Chicharro – (alma de…) pessoa de carácter frouxo; indolente.

Choco – diz-se do ovo em que se está desenvolvendo o germe ou que apodreceu; estado febril das aves quando estão no período de incubação; (fig.) goro, estragado; o acto de chocar; o período da incubação.

Craca – nome de uma planta leguminosa; parte concava das  colunas estriadas.

Enguia – pessoa muito magra, delgada, escanzelada; pessoa muito ágil que não se deixa agarrar.

Espada – arma; a vida militar; matador de toiros; individuo exímio em qualquer coisa; automóvel de linha aerodinâmica; um dos naipes doa baralhos de cartas.

Faneca – castanha chocha; pedaço de pão, naco; magricela.

Golfinho – cada uma das asas das antigas peças de artilharia, que facilitavam o seu desmonte.

Lagosta – estalo, bofetada (gir.).

Ostra – assento preso à parede dos anfiteatros nas casas de espectáculo (Bras.).

Pregado – que tem pregas; pregueado.

Safio – diz-se dos chibos e cabras de pêlo curto.

Tamboril – pequeno tambor; planta leguminosa (Bras.).

Xarroco – dedeira com que os ceifeiros resguardam da foice o dedo polegar da mão esquerda (Alent.).

 

E agora, para mostrar como é, um pequeno texto onde o Carapau emprega todas estas palavras.

 

A ti’Maria ainda gritou para as filhas não se esquecerem dos xarrocos, quando elas saíram para a ceifa, a correr, logo que ouviram o rufar do tamboril que o Ruivo tocava empoleirado na caranguejola onde levava as raparigas. Sempre bem disposto,ou não fosse ele do signo caranguejo, como estava sempre a dizer. Teve de sair ela também a correr para lhos levar, e depois na volta, com os bofes a saírem pela boca por causa da corrida, ainda teve de ouvir o bêbado do Zé Preguiça que parecia uma ostra, agarrado com uma mão às cracas da coluna que havia à entrada da taberna, e com a outra agarrado à garrafa. Apeteceu-lhe dar duas lagostas no bebedolas, mas olhando para o rosto pregado do velho, passou sem ligar importância.

 Ao chegar a casa comeu uma faneca com um nico de toucinho e ainda veio à porta para ouvir uma vez mais o vizinho, o Zé Espinha, que era uma verdadeira enguia. Lá teve de ouvir a história dele, que gostaria de ter sido espada, mas a verdade é que tinha medo dos toiros. O coitado do Zé era um chicharro sem préstimo. Não valia mais que um ovo choco. Foi até ao quintal onde a cadelinha a recebeu aos saltos e latidos, agarrou na alfaia que sempre pendurava num camarão na porta da barraca, e pôs-se a sachar os feijões e a fazer a carpa aos tomateiros. Depois tratou da cabra safio e do cavalo, que não comia por causa dum barbo que tinha na boca e pensou que era melhor chamar o veterinário. Que era bom sujeito e brincalhão, mas que também tinha a sua pancada pela artilharia e pelos astros, a falar sempre em golfinhos e baleias. Mas tinha que o aturar.

 

publicado por Carapaucarapau às 11:46
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008

Dinheiro

 

O Carapau resolveu estudar tudo sobre dinheiro e tornar-se um especialista no assunto. Para isso matriculou-se num curso intensivo de Economia e Finanças (tirado na praia e aos domingos, como o daquele de que certamente tiveram noticia. Pelo menos, aqui pelo rochedo, foi muito badalado). Só que teve de começar pela Introdução à Economia, depois Economia e finalmente Finanças.

Na Introdução à Economia o Carapau estudou tudo sobre introdução: como fazer uma introdução simples até chegar à introdução com dificuldade. Com muitos exercícios práticos, esta parte correu bem e o Carapau tornou-se um ás na introdução, de tal maneira que até já fazia tudo de olhos fechados ou então às escuras. O que acontece algumas vezes aqui no fundo da caverna. Mas uma boa introdução deve ser feita com claridade, pois é importante saber da reacção à introdução. Mas isto já é estudado num estádio mais avançado do curso e não é aqui o local para divagar sobre o assunto.

 Voltando ao curso: quando se considerou apto na introdução foi ao fundo da questão que é como já perceberam a Economia.(Aliás quem estuda Introdução é para ir ao fundo das coisas. É como mergulhar em apneia, se assim me posso exprimir). E aí aprendeu coisas que não lembrariam a um careca quanto mais a um Carapau escamudo. Entre outras coisas que não vem ao caso, estudou a Economia na Introdução. Quer dizer, também na Introdução se pode fazer economia. Há de facto muitos processos que permitem facilitar a introdução. E tudo que se torna fácil, torna-se económico. Armado destes conhecimentos meti-me a fundo nas Finanças (quer dizer, introduzi-me…) e tão brilhante fui, que passado pouco tempo apresentei um trabalho sobre Dinheiro, que no fundo (sempre o fundo ligado à introdução, isto anda tudo ligado…) é o que me interessava desde o princípio (e diz-me um passarinho, quero dizer, um cavalo marinho aqui ao ouvido, é o que interessa às pessoas).

Daí que sem mais conversas apresente esse estudo, que é nem mais nem menos que uma relação de palavras, que deste lado do Atlântico e nalguns casos também do outro, significam DINHEIRO. Deste modo fica toda a gente munida de armas que lhe permitem tratar o dinheiro sem ser por dinheiro, que, segundo temos aprendido ultimamente com a chamada “crise”, parece muito acertado, uma vez que mesmo os bancos sempre deram nomes diferentes àquilo que se julgava ser dinheiro mas que não passavam de “palavras”.

Este é também um motivo – que está na ordem do dia – que levou o Carapau a esta publicação. Que vai fazer muito jeito a muita gente e a muita instituição bancária e afins, que deste modo, empregando a palavra certa em cada momento, não enganarão ninguém…

Aí fica a lista, e fica também um pedido a quem isto ler. Que nos “Comentários” deixe outras palavras que aqui não figuram. O Carapau depois fará a respectiva Introdução na lista, pois só ele sabe e pode introduzir. E, claro está, fará referência à autoria das palavras ou seja, à pessoa introduzida…

Vamos então à lista.

 

Ao DINHEIRO também poderá chamar-se:

 

 

-Algum

-Arame

-Arjã (do fr. argent) *

-Brasas

-Cacau

-Carcanhol

-Caroço

-Cheta

-Cobres

-Conques

-Grana

-Granel

-Graveto

-Guita

-Guito *

-Lecas

-Massa

-Maçaroca

-Merda (#)

-Milho

-Miudos **

-Mocas

-Moeda **

-Monim (do ing. money)

-Niquel **

-Nota

-Nota preta (muito)

-Ouro

-Oirios (de euros)

-Painço

-Papel

-Pasta

-Pastel

-Pastora

-Pilim

-Prata

-Taco

-Tintol (##)

-Tosta

-Trocados

-Tusto

 

Obs.:

(#) Merda, pode valer uma coisa e o seu contrário. Assim “ele ganha massa como merda” não é precisamente o mesmo que “ele ganha uma merda de ordenado”.

(##) Também dizer “ele tem uma pipa de tintol”, não quer dizer que ele tenha uma pipa de vinho tinto. Pode até nem ter vinha o que só lhe será vantajoso…ou não, sei eu lá bem…

 

Cá fico a aguardar contribuições.

 

E as contribuições chegaram (e ficam aqui  registadas com os agradecimentos do Carapau)

 

* de MF

** de Tretoso Mor

 

publicado por Carapaucarapau às 14:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2008

Consultório (4)

 

 

 

PERGUNTA: - (Marijedé, Lisboa Marl,30): - Eu sou aquela de quem a Micas disse a semana passada que lhe andava a desviar o Toni. É uma parvoíce de quem não tem competência para o agarrar. Eu não estou interessada num homem que no fundo não consegue manter a ordem lá em casa.

Mas não é isto que me traz aqui. O meu caso é o seguinte: eu ando meia maluca por um tipo que negoceia em peixe e marisco, em grande, aqui no mercado, chamado Manel do Cachucho porque ele usa um cachucho de todo o tamanho num dedo da mão direita. Eu bem vejo ele a olhar para mim com olhos de cherne mal morto quando passa aqui pela bancada. Eu aguento o olhar e sorrio, ele até já chegou a piscar-me o olho; mas a verdade é que não passa disto. Que devo fazer? Devo-o atacar assim meio à bruta ou esperar que ele tome a iniciativa? Estou a ver que ele nem ata nem desata. Fico à espera dum conselho e quero dizer-lhe que, quando passar por aqui, me venha visitar que eu arranjo-lhe umas navalheiras fresquinhas, à maneira, porque já percebi que gosta deste petisco. Talvez tanto como eu gosto do Manel só que o Carapau ainda vai arranjando umas navalheiras e eu só vejo o cachucho ao longe.

 

RESPOSTA: - Obrigado por essa oferta das navalheiras e não duvide que quando um dia passar por aí não me vou esquecer de a procurar. Talvez então possamos falar um pouco mais sobre o seu problema se, até lá, ele não estiver já resolvido.

Vamos ao assunto. É preciso saber se não há nenhuma corvina na vida do Manel do Cachucho. Se ele faz olhinhos e não ata nem desata convém saber isso.

E depois, caso haja a tal corvina do alto ou mesmo uma pescadita, falta saber se ele está interessado na troca ou se a Marijedé está interessada em entrar numa guerra. Depois será que o cachucho é verdadeiro (ourinho legitimo e pedrinhas) ou uma imitação comprada na loja dos trezentos? Há por aí muita gente “encachuchada” e vai-se a ver é só conversa. Só a vista não nos garante nada. É preciso ter o cachucho na mão para o analisar e pelos vistos ainda não chegaram a esse ponto. Eu aconselhava--a a chamá-lo um dia aí à sua bancada e mostrar-lhe como o seu peixe é fresco. Diga-lhe que lhe pode cheirar a guelra à vontade que tudo o que se vê é de boa qualidade. Talvez assim, mais perto, consiga aperceber-se de mais alguma coisa sobre o cachucho.

Porque minha amiga, se ele não for verdadeiro, não vale a pena perder tempo com esse freguês. Digo mesmo que qualquer Jaquinzinho modesto mas com tudo em “su sitio”, vale bem um cachucho falso. E não devem faltar Jaquinzinhos…

Vá dando notícias até que eu passe por aí…

 

 

Pergunta – (de Tó Tarado – Tortozendo) : Continuamos sem saber nada da tua prima. Muita conversa, muitas promessas de apresentações, muito blá blá, mas a priminha ao vivo e a cores, nada. Vê se ganhas juízo nesse focinho (ou nas escamas, ou nas barbatanas ou seja lá onde for) e, ou deixas de falar nela ou então apresenta-a cá à malta. Tenho a impressão que andas a gozar com a malta, mas olha que talvez te saia o tiro pela culatra. Quem te avisa teu amigo é…

 

Resposta – Amigo Tarado (“amigo” é uma maneira de dizer) vá lá ameaçar a sua prima, se a tiver, que isto aqui é um lugar sério. Só lhe respondo para não julgar que lhe tenho medo. Espero que nunca lhe tenha passado pela mona (será lisa?) que eu algum dia ia apresentar a minha querida prima a um energúmeno como você. Coma uns tremoços que essas manias passam. E, se não gostar de tremoços, vá à fava.

 

Nota: - Não está nos hábitos do Carapau responder deste modo a alguém. Mas há tipos que só entendem este tipo de linguagem, e esta resposta serve também para umas centenas de tarados que se me tem dirigido mais ou menos nos mesmos termos. Futuramente, consultas do mesmo género, deixarão de ser respondidas. Isto é um consultório sério e a minha prima também. Bem… pelo consultório, respondo eu…

 

 

publicado por Carapaucarapau às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Aleluia!

. Dignidade

. Balanço

. Outros Natais...

. A dúvida

. Promessas...

. Pulítica

. O não post...

. Quem sai aos seus ...

. Férias/Feiras

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.Contador de visitas

Criar pagina
Criar pagina
blogs SAPO

.subscrever feeds